Notícias » Brasil

Após ser chamado de 'energúmeno', Paulo Freire será homenageado pelo Senado

O plenário do Senado Federal aprovou na tarde de ontem, 17, um requerimento para a realização de uma sessão especial em homenagem ao Patrono da Educação Brasileira

Fabio Previdelli Publicado em 18/12/2019, às 10h55

Foto de Paulo Freire
Foto de Paulo Freire - Wikimedia Commons

Um dia depois do presidente Jair Bolsonaro chamar o educador Paulo Freire de “energúmeno”, o plenário do Senado Federal aprovou na tarde de ontem, 17, um requerimento para a realização de uma sessão especial em homenagem ao Patrono da Educação Brasileira, que faleceu em maio de 1997.

O pedido, de autoria do senador maranhense Weverton (PDT), foi assinado por outros parlamentares, inclusive o líder do governo no Congresso Eduardo Gomes (MDB-TO). O requerimento sugere que a data da cerimônia ocorra no dia 4 de maio de 2020, mês que completa 23 anos da morte de Freire.

“Ah, senhor presidente, busque o dicionário, aprenda o que que é energúmeno, tome a postura como presidente da República Federativa do Brasil, porque isso o senhor está longe de ser. O senhor faria muito pela nação brasileira se renunciasse. Não só pela nação brasileira, mas pela população mundial, porque o desmonte está sendo operacionalizado no Brasil, seja na educação, na segurança, na saúde, no meio ambiente”, afirmou o senador Fabiano Contarato (Rede-ES), durante a sessão desta tarde.

Em entrevista coletiva na saída do Palácio do Planalto na última segunda-feira, 16, Bolsonaro atacou o educador ao criticar a programação da TV Escola. “Era uma programação [da TV Escola] totalmente de esquerda, ideologia de gênero, dinheiro público para ideologia de gênero. Então, tem que mudar. Reflexo, daqui a 5, 10, 15 anos vai ter reflexo. Os caras estão há 30 anos [no ministério], tem muito formado aqui em cima dessa filosofia do Paulo Freire da vida, esse energúmeno, ídolo da esquerda”.

A fala foi duramente criticada por alguns senadores. "Você falar, querer acabar com a TV Escola? Atribuir esse adjetivo de energúmeno a Paulo Freire? Eu não posso me calar. Paulo Freire nos faz pensar, ele nos ensina a pensar. Eu queria sugerir ao presidente da República que procedesse a leitura de algumas obras de Paulo Freire", disse Contarato.

Já o senador Weverton, que fez o requerimento, disse que homenagear Paulo Freire é reconhecer a própria história do Brasil. “Não são os muros das universidades que, apenas para dentro, precisam se indignar com essa tamanha agressão ao mestre da educação, a referência de inclusão, mas sim qualquer homem e mulher que saiba que um dia nós podemos ser melhores se nós praticarmos o bem. E praticar o bem é apoiar de forma intransigente não só a educação, mas também defender os educadores”.

Quem foi Paulo Freire?

Declarado o Patrono da Educação Brasileira em 2012, Freire desenvolveu uma técnica de ensino baseada nas experiências de vida das pessoas e no pensamento crítico, especialmente na alfabetização de adultos.

Sua obra ‘Pedagogia do Oprimido’ é o único livro brasileiro a figurar na lista dos 100 títulos mais pedidos em universidades de língua inglesa / Crédito: Divulgação

 

Sua obra ‘Pedagogia do Oprimido’ é o único livro brasileiro a figurar na lista dos 100 títulos mais pedidos em universidades de língua inglesa, sendo o segundo lugar no campo da educação, perdendo apenas para ‘Teaching for Quality Learning in University: What the Student Does’, de John Biggs.

Em janeiro de 1963, a metodologia freiriana alfabetizou 300 trabalhadores em 45 dias. Com isso, o presidente do Brasil na época, João Goulart, chamou Freire organizar o Plano Nacional de Alfabetização.

Iniciado em janeiro do ano seguinte, o projeto tinha como objetivo alfabetizar 2 milhões de pessoas em 20.000 círculos de cultura. No entanto, com o golpe militar em 1º de abril de 1964, esse projeto foi cancelado. Em seu lugar, surgiu o Movimento Brasileiro de Alfabetização, o MOBRAL, uma metodologia distinta da de Paulo Freire.


+ Para saber mais sobre as obras de Paulo Freire:

1. Pedagogia do oprimido, de Paulo Freire (2013) -https://amzn.to/2MSBLCb

2. Educação como prática da liberdade, de Paulo Freire (2014) -https://amzn.to/2MO4xE5

3. Pedagogia da autonomia, de Paulo Freire (1997) - https://amzn.to/2BlfU0Z

4. Professora, sim tia, não, de Paulo Freire (2012) -https://amzn.to/2OXRanw

5. Educação e mudança, de Paulo Freire (2011) -https://amzn.to/2BiGZlu

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.