Notícias » Arqueologia

Arqueólogos encontram 300 tumbas dos séculos 1 e 2 na França

Localizada no sudoeste do país, a surpreendente necrópole ainda guarda diversos artefatos e está em ótimo estado de preservação

Pamela Malva Publicado em 14/04/2021, às 18h00 - Atualizado às 18h25

Fotografia da enorme necrópole vista de cima
Fotografia da enorme necrópole vista de cima - Divulgação/Denis Gliksman/Inrap

Enquanto exploravam a região de Narbonne, no sudoeste da França, arqueólogos locais fizeram uma descoberta impressionante. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisa Arqueológica Preventiva (Inrap), via Revista Galileu, trata-se de uma necrópole inédita com cerca de 300 tumbas datadas dos séculos 1 e 2 d.C..

No total, o sítio funerário tem cerca de 2 mil metros quadrados e está localizado embaixo de um cruzamento. Além das tumbas, os especialistas ainda conseguiram identificar as subdivisões da construção, que foi separada em recintos de alvenaria.

Dentro de cada um dos ambientes, monumentos de gesso indicavam qual grupo social fora enterrado na área. Junto das peças, placas gravadas com diferentes epitáfios serviam como documentos sobre a história de plebeus, escravos e até emancipados de origem italiana, que aparentemente também foram sepultados na região.

Fotografia de uma das placas funerárias encontradas na necrópole / Crédito: Divulgação/Denis Gliksman/Inrap

 

Por mais que contasse com centenas de túmulos, contudo, a necrópole ainda guardava frascos fúnebres, usados para guardar as cinzas de indivíduos cremados, bem como jarras de cerâmica e vidro, usados para guardar oferendas de bebidas e perfumes — isso sem contar frutas carbonizadas e objetos de higiene pessoal bem preservados.

O ótimo estado de conservação dos objetos, inclusive, é uma das características mais interessantes do achado. Para os pesquisadores do Inrap, os artefatos podem ter sido preservados graças às enchentes do rio Aude, cujas águas enlameadas teriam o poder de eternizar a necrópole, resguardando os segredos das práticas funerárias da época.

Fotografias das peças de cerâmica encontradas na necrópole / Crédito: Divulgação/Denis Gliksman/Inrap

 

“A diversidade das estruturas funerárias, seu estado de preservação e a sobreposição de pisos e túmulos tornam este local único na Gália, podendo ser comparado apenas a locais na Itália, como Pompeia e Roma”, explicou o Inrap, em comunicado oficial.

Localizada no sul da França, onde hoje fica o atual canal de la Robine, a região de Narbonne era conhecida como um importante ponto comercial da Antiguidade. Foi lá que se instalou um dos maiores portos do Mediterrâneo Ocidental, por onde passavam algumas das mais expressivas rotas terrestres, fluviais e marítimas da época.