Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Batalha do Somme

Batalha do Somme: 'Erro colossal' levou ao massacre de quase 20 mil soldados

Um dos grandes conflitos dentro da Primeira Guerra Mundial, a Batalha do Somme começou com 'erro colossal', aponta estudo recente

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 09/01/2024, às 13h40

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Soldados britânicos iniciam a batalha do Somme - Domínio Público/Ivor Castle
Soldados britânicos iniciam a batalha do Somme - Domínio Público/Ivor Castle

Em 1º de julho de 1916, a explosão de uma mina em Hawthorn Ridge deu início na Batalha do Somme — um dos grandes conflitos dentro da Primeira Guerra Mundial —, quando exércitos do Império Britânico e da França lutaram contra as forças alemãs. 

Entretanto, a explosão que levou ao massacre de quase 20 mil soldados britânicos tratou-se de um "erro colossal", segundo aponta estudo recente, liderado pelo Dr. Jamie Pringle, geocientista forense da Universidade de Keele, e publicado no Journal of Conflict Archaeology.

+ De participação de Tolkien a inovações: 5 fatos sobre a Batalha do Somme

Pela primeira vez em mais de um século, cientistas estudaram a antiga posição fortificada da linha de frente alemã, perto de Beaumont Hamel, no norte França. O local, que permaneceu praticamente intocado por todo esse tempo, rendeu relíquias dos eventos que "condenaram o ataque britânico ao fracasso". 

Depois de plantarem os explosivos sob a posição dos alemães, os britânicos acidentalmente deram aos inimigos um aviso com 10 minutos de antecedência ao detonarem a mina mais cedo, apontam os especialistas.

A explosão da mina foi a primeira ação da Batalha do Somme, com o objetivo de dar vantagem às forças aliadas", contextualizar Pringle.

"Encontramos evidências físicas pela primeira vez de como os soldados alemães consolidaram parte da cratera deixada para trás após a explosão e realmente a usaram em seu benefício como uma nova posição defensiva", diz. 

A explosão

Conforme recorda o Daily Mail, a detonação na fortificação alemã de Hawthorn Ridge na manhã de 1º de julho de 1916 ocasionou o que é descrito como o dia mais sangrento da história do Exército Britânico.

Horas antes, as forças inglesas haviam cavado mais de 18 metros sob a posição do front alemão, enchendo túneis com quase 20 mil quilos de explosivos. Foi a detonação de uma das 19 minas colocadas por lá que deu início ao conflito. Mas a explosão ocorreu 10 minutos antes dos apitos soarem para o ataque começar às 7h30. 

Até então, esperava-se que o bombardeio permitiria às tropas britânicas cruzar a terra de ninguém e ocupar as trincheiras alemãs. Mas o "erro colossal" deu aos alemães tempo suficiente para assumir posições defensivas na cratera recém-formada e impedir o avanço dos ingleses. 

Ao final do primeiro dia da Batalha do Somme, as forças britânicas sofreram com 57.470 vítimas, sendo 19.240 delas fatais.

Por pertencer a terras privadas, a cratera ficou inexplorada por mais de um século, só sendo investigada quando a Hawthorn Crater Association, uma organização de caridade encarregada de proteger o local, assumiu o controle da área em 2018. 

Desde então, pesquisas estão sendo feitas na região com métodos que vão desde o sensoriamento remoto e o uso de drones até o escaneamento com Lidar e o trabalho arqueológico. 

"Usando drones com câmeras de imagem, fomos capazes de visualizar remotamente uma provável seiva ou túnel raso a noroeste da cratera, mostrando o domínio alemão da terra de ninguém após a detonação inicial", apontou Kris Wisniewski, professor de ciência forense na Universidade de Keele. 

Mais de três milhões de homens lutaram na Batalha do Somme, um milhão dos quais acabaram mortos ou feridos, tornando o conflito um dos mais mortíferos da história da humanidade

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!