Notícias » Arqueologia

Cheia de bijuterias: múmia adolescente de mais de 3 mil anos é encontrada no Egito

Os pesquisadores se surpreenderam pelos itens joviais que decoravam todo o seu corpo

Wallacy Ferrari Publicado em 27/04/2020, às 13h08

A tumba da múmia encontrada (à esq.) ao lado de seu valioso colar (à dir.)
A tumba da múmia encontrada (à esq.) ao lado de seu valioso colar (à dir.) - Divulgação

Uma missão arqueológica com pesquisadores espanhóis ,em parceria com uma equipe egípcia, revelou uma múmia na necrópole Draa Abul Naga, no Egito, em um sarcófago pertencente à dinastia XVII.

Os arqueólogos do projeto Djehuty, no entanto, se surpreenderam pelas características joviais e acessórios deslumbrantes que cercavam a múmia.

A equipe acredita que os restos são de uma jovem mulher com cerca de 16 anos, tendo 1,60m de altura, e usava dois brincos na orelha esquerda, além de usar dois anéis e quatro colares, sendo um deles composto de joias de valor alto para a época que foi confeccionado. Os outros são bijuterias feitas de miçangas, ossos e vidro.

O sarcofágo / Crédito: Divulgação

 

O colar valioso é composto por dezzenas de pedras semipreciosas, como ametista e cornalina, sempre esculpidas em diferentes formatos geométricos. José Manuel Galán, pesquisador do CSIS e coordenador do projeto, enalteceu a descoberta e se impressionou com um item tão elaborado em “um sarcófago relativamente modesto”.

Crédito: Divulgação

 

O Conselho Superior para a Investigação Científica (CSIC) da Espanha acrescentou as características da descoberta em um comunicado: “O sarcófago pintado de branco e esculpido de um único tronco de árvore foi descoberto a poucos metros do pátio de entrada à tumba-capela de Djehuty (supervisor do Tesouro e dos trabalhos artesanais da rainha-faraó do Antigo Egito, Hatexepsute) perto de uma pequena construção de adobe de 1600 a.C”