Notícias » Arqueologia

Em Jerusalém, arqueólogos encontram lamparina nas paredes de um prédio de quase 2 mil anos

A peça chama atenção por sua aparência peculiar. Confira!

Penélope Coelho Publicado em 07/05/2021, às 07h27

Lamparina de bronze
Lamparina de bronze - Divulgação / Koby Harati, Cidade de Davi

De acordo com informações publicadas na última quinta-feira, 6, pelo jornal israelense Haaretz, arqueólogos locais fizeram uma grande descoberta ao encontrarem uma lamparina de bronze nas fundações de um edifício antigo de Jerusalém.

Segundo revelado na publicação, a descoberta chama atenção por alguns motivos, um deles é o local do achado. De acordo com a reportagem, a peça foi encontrada em um prédio de quase 2 mil anos. Trata-se de uma construção feita após a destruição de Jerusalém pelos romanos, em 70 d.C.

Lamparina de bronze descoberta em antigo prédio / Crédito: Divulgação / Koby Harati, Cidade de David

 

Além disso, o material da lamparina também chamou atenção, já que ela foi construída a partir do bronze e não de cerâmica, como era comum. Entretanto, a aparência do objeto foi o que despertou o olhar dos especialistas. A lamparina possui um formato incomum, com a representação de um rosto cortado ao meio, com metade da peça representando um rosto humano e a outra metade representando a aparência de uma cabra.

Na ocasião, duas dúvidas surgiram: por qual motivo a lamparina estava na parede do edifício e por qual motivo tem tal formato?

Lamparina encontrada em Jerusalém, Israel / Crédito: Divulgação/ Koby Harati, Cidade de Davi

 

Para os especialistas, o edifício foi construído para proteger o povo de Jerusalém dos romanos, as paredes do local serviam como uma espécie de depósito.

De acordo com os arqueólogos, a lamparina pode ter auxiliado aquelas pessoas. Mas, para eles, a peça não ajudava a iluminar o local, apesar das pesquisas comprovarem que a lamparina era funcional. Por sua aparência, os pesquisadores acreditam que o objeto tinha uma função ritualística nos enterros das pessoas que ali viviam.

Segundo os arqueólogos, mais peças foram encontradas nas paredes que serviam como depósito no antigo prédio, outras descobertas devem ser divulgadas em breve.