Notícias » Crimes

Em Pernambuco, criminosos torturam jovem em transmissões ao vivo

Os vídeos angustiantes ainda foram enviados para os familiares da vítima sequestrada, a fim de fazê-los pagar pelo resgate

Pamela Malva Publicado em 14/01/2021, às 12h00 - Atualizado às 12h17

Imagem dos policiais na frente do cativeiro onde a jovem era mantida
Imagem dos policiais na frente do cativeiro onde a jovem era mantida - Divulgação/Polícia Civil de Alagoas

Na manhã do último domingo, 10, um delegado de Ibimirim, no sertão de Pernambuco, recebeu uma denúncia alarmante em seu celular. Por mensagem, uma mulher afirmava que sua filha, que havia sido sequestrada, estava sendo torturada pelos criminosos.

O problema é que, segundo o delegado Alexandre Barros, “as imagens da ação eram apresentadas ao vivo e postadas em redes sociais". Tudo isso para incentivar os pais da garota a pagarem pelo resgate no valor de R$ 15 mil, segundo o UOL.

Durante a investigação, ficou claro que a jovem foi sequestrada porque seu namorado tinha uma dívida milionária com um grupo de traficantes. O garoto, inclusive, foi uma das pessoas que recebeu os vídeos das sessões de tortura.

Imagem meramente ilustrativa de pessoa mexendo no celular / Crédito: Divulgação/Pixabay

 

Em troca da menina, então, os criminosos exigiram R$ 5 mil em dinheiro, além de outros R$ 10 mil, que deveriam ser transferidos para uma conta bancária. Foi graças aos dados desta conta que os policiais conseguiram identificar o grupo.

Depois de longas buscas, já que os sequestradores nunca ficavam muito tempo em um só cativeiro, os investigadores conseguiram rastrear e prender três criminosos. Agora, a polícia ainda deve investigar o dono da conta bancária que receberia o resgate, além de outros três suspeitos, que teriam participado do crime à distância.

A jovem, por sua vez, foi encontrada bastante debilitada no cativeiro. Logo que foi resgatada, contudo, ela recebeu os cuidados necessários e, agora, encontra-se em um estado de saúde estável, apesar dos terrores que sofreu.