Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Tarsila do Amaral

Com autoria debatida, desenhos de Tarsila do Amaral estão em site de comercialização de NFTs

Antigos desenhos considerados autênticos foram alvo de polêmica após serem comprados para utilização como NFTs; entenda!

Éric Moreira Publicado em 30/01/2024, às 13h23 - Atualizado às 15h40

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Ilustração recém atribuída a Tarsila do Amaral utilizada em produção de NFT - Reprodução/Alípio Neto
Ilustração recém atribuída a Tarsila do Amaral utilizada em produção de NFT - Reprodução/Alípio Neto

No ano passado, um conjunto de desenhos possivelmente feitos pela renomada artista brasileira Tarsila do Amaral se tornaram razão de disputa na Justiça, depois que o tradutor Alípio Neto pediu o reconhecimento de desenhos que ele herdou como autênticos da pintora. Avaliados em cerca de R$ 1 milhão, no entanto, as obras não foram certificadas por especialistas e nem por uma herdeira de Tarsila, Paola Montenegro.

+ Os amores e as perdas de Tarsila do Amaral: Quem era a mulher por trás da artista?

Porém, recentemente, esses mesmos desenhos não autenticados chamaram atenção ao aparecerem em um site de comercialização de NFTs como se fossem feitos pela própria pintora.

Datados de 1920 e retratando paisagens do litoral brasileiro, eles foram comprados pela empresa suíça Zeitls, responsável pelos NFTs, que produziu 225 ilustrações coloridas, feitas a partir das originais, comercializados por 0,3 ETH cada — o que equivale a cerca de R$ 3,3 mil.

Segundo repercutido pela Folha de S. Paulo, o e-commerce — chamado apenas de 'Tarsila' — chegou a ser autorizado por pelo menos três herdeiros da artista brasileira, sendo um projeto tocado pela própria Paola Montenegro, sobrinha-bisneta de Tarsila e atual responsável pela empresa que cuida dos direitos autorais da artista.

No entanto, o proprietário das obras, AlípioNeto, que movia ação na Justiça pelo reconhecimento dos desenhos como autênticos, segue buscando certificação de autoria.

O que ele quer é que especialistas em Tarsila reconheçam as ilustrações, para que elas possam ser incluídas em uma eventual nova edição do catálogo raisonné da artista, o guia definitivo de seus trabalhos.

Vale mencionar que desde que Alípio revelou os desenhos, eles não tiveram aprovação unânime da comissão de especialistas que deveria dizer se eles são ou não de autoria de Tarsila, o que é segue sendo aguardado pelo proprietário.

+ Por que o Abaporu está na Argentina?

Outro desenho de Tarsila que serviu de inspiração para NFTs / Crédito: Reprodução/Alípio Neto

Dificuldade de reconhecimento

Outro dos herdeiros de Tarsila, Paulo Montenegro, alega não poder atestar a originalidade dos desenhos "de forma alguma", pois não é "um expert no assunto". No entanto, um documento sobre a produção de NFTs assinado por ele e Luis Paulo Estanislau do Amaral, outro herdeiro, pontuava que as ilustrações eram originais da pintora.

Quando questionado se a assinatura não atestaria a veracidade das obras, ele afirmou que "não tinha olhado por esse lado", mas que, de fato, ao assinarem o documento, indiretamente estariam "reconhecendo a autenticidade". 

Com isso, Mario Solimene Filho, advogado de Alípio Neto, reforça que a ação dos herdeiros de Tarsila e a produção de NFTs demonstram a autenticidade das obras, e agora desdobramentos com o proprietário delas devem ocorrer em breve.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!