Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Crime

Mulher que matou mãe e a colocou em mala é condenada a 26 anos de prisão

A americana teria assassinado a própria mãe, junto com o namorado, para conseguir acesso a um fundo milionário; entenda o caso!

Isabelly de Lima Publicado em 18/01/2024, às 09h59

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Heather Mack e a mãe, Sheila von Wiese-Mack - Arquivo pessoal
Heather Mack e a mãe, Sheila von Wiese-Mack - Arquivo pessoal

Heather Mack, uma mulher norte-americana envolvida no chocante assassinato de sua mãe durante férias em Bali em 2014, foi condenada a 26 anos de prisão nos Estados Unidos. A sentença foi proferida na última quarta-feira, 18, pelo juiz Matthew Kennelly, que levou em consideração o período que Mack passou detida desde sua prisão, resultando em uma pena formal de cerca de 23 anos.

Agora com 28 anos, Mack havia sido condenada na Indonésia em 2015 a 10 anos de prisão pelo assassinato de sua mãe, Sheila von Wiese-Mack. No entanto, em 2021, ela foi libertada e imediatamente presa ao chegar aos Estados Unidos, enfrentando acusações de conspiração para assassinar uma cidadã americana.

O crime hediondo ocorreu quando Mack, aos 18 anos, conspirou com seu então namorado, Tommy Schaefer, para matar sua mãe, Sheila von Wiese-Mack. O objetivo do casal era obter acesso a um fundo fiduciário de US$ 1,5 milhão. Durante o ato, Mack teria segurado a boca de sua mãe enquanto Schaefer a golpeava na cabeça com uma fruteira. O corpo foi posteriormente escondido dentro de uma mala.

Alerta importante

Após o assassinato, o casal abandonou a mala contendo os restos mortais no porta-malas de um táxi em Bali. O motorista alertou a polícia, levando à prisão de Mack e Schaefer, que foram encontrados em outro hotel na ilha, de acordo com a BBC News.

Durante a sentença nos EUA, os promotores recomendaram uma pena de 28 anos de prisão, destacando a frieza do crime. O irmão da vítima, Bill Wiese, pediu a pena máxima, alegando que Macknão demonstrou remorso.

Schaefer, também envolvido no assassinato e citado nas acusações dos EUA, permanece detido na Indonésia.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!