Notícias » Paleontologia

Pela primeira vez, fóssil de espécie rara de dinossauro é encontrado na Austrália

Para os paleontólogos, o Elafrossauro habitou o círculo polar antártico no período Cretáceo

Penélope Coelho Publicado em 18/05/2020, às 11h30

Ilustração de um Elafrossauro
Ilustração de um Elafrossauro - Divulgação

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Swinburne, em Melbourne, descobriu um fóssil de dinossauro extremamente raro em Victoria, na Austrália. Segundo o artigo publicado pela revista científica Gondwana Research, o animal extinto era parente do Tiranossauro Rex e do Velociraptor, além de possuir uma peculiaridade só dele: um pescoço muito longo.

Para os pesquisadores, essa espécie chamada de Elafrossauro era omnívora, o que significa que esse dinossauro foi sim um predador, porém, já na idade adulta seguia uma dieta herbívora.

O fóssil foi desenterrado em 2015, após escavações realizadas no estado, mas, os pesquisadores só foram entender que o esqueleto se tratava de um Elafrossauro, anos depois. Inicialmente o achado foi considerado como o de um dinossauro voador, conhecido como Pterossauro.

Fotofrafia da vértebra encontrada / Crédito: Divulgação 

 

Redescoberta

Após mais algumas investigações, os pesquisadores entenderam que o tamanho da ossada era grande demais para pertencer a um Pterossauro. Os ossos encontrados correspondem a uma vértebra de cinco centímetros de comprimento, que ficou exposta no Museu de Melbourne.

Para Stephen Poropat, líder da pesquisa, essa descoberta ajuda a contar um pouco mais sobre a história dessa espécie, já que anteriormente foram encontradas somente outras três evidências de Elafrossauro, na Tanzânia, China e Argentina, mas, nunca na Austrália.

"Este é o primeiro registro desta espécie na Austrália, e o segundo do período Cretáceo em todo o mundo. A beleza desta vértebra de pescoço é tão especial porque são muito raras em comparação com outros dinossauros.", afirmou Poropat.

Segundo a reportagem publicada no periódico The Guardian, os cientistas acreditam que esses dinossauros provavelmente viveram no círculo polar antártico, levando em conta a posição da Austrália há 110 milhões de anos, que ficava localizada mais ao sul.