Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Cirurgia

Pela primeira vez, microchip cerebral para tratamento de TOC é inserido em SC

Procedimento cirúrgico inédito é caracterizado como um "avanço importante" na medicina, a partir de uma técnica de estimulação cerebral profunda; confira!

Éric Moreira Publicado em 24/01/2024, às 08h51

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Imagens de procedimento cirúrgico inédito e raio-x onde é possível ver microchip - Divulgação/Arquivo Pessoal/Wuilker Knoner Campos
Imagens de procedimento cirúrgico inédito e raio-x onde é possível ver microchip - Divulgação/Arquivo Pessoal/Wuilker Knoner Campos

Em Florianópolis, capital da Santa Catarina, um hospital realizou recentemente, pela primeira vez, uma curiosa cirurgia capaz de auxiliar no tratamento de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) a partir de um implante cerebral de um microchip.

Segundo o neurocirurgião Wuilker Knoner, responsável pelo procedimento, a cirurgia pode ser vista como "um avanço importante" na medicina.

Segundo o g1, o procedimento recente é indicado a pacientes que foram encaminhados por psiquiatras e não responderam aos tratamentos tradicionais. Vale mencionar que o TOC é caracterizado por pensamentos intrusivos e repetitivos, além de comportamentos compulsivos, segundo a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.

Como funciona?

Para que o novo tratamento de TOC ocorra, é necessário que os pacientes passe por uma técnica de estimulação cerebral profunda ("Deep Brain Stimulation", em inglês) a partir de uma estereotaxia, ferramenta que permite guiar o microchip através de coordenadas, com foco no giro do cíngulo — área que envolve mudanças de compotamento.

O chip é um fiozinho conectado numa bateria, igual marca-passo, colocada no tórax do paciente. A partir dali a gente consegue 'programar' os neurônios disfuncionais. O chip manda energia e cria um campo elétrico. Esse campo vai gerar o ajuste da disfunção elétrica que está causando o problema", afirma Knoner.

Este procedimento, no caso, por mais que ainda inédito no estado de Santa Catarina, já havia sido realizado anteriormente em São Paulo, Goiás e Rio Grande do Sul. O procedimento recente, de Santa Catarina, ocorreu no fim de 2023, em dezembro.

Agora, como os resultados anteriores vêm se mostrando promissores a longo prazo, "[a cirurgia] representa uma esperança renovada para pacientes com TOC que não conseguem resultados com outros tratamentos, abrindo caminho para uma vida livre dos grilhões deste transtorno tão desafiador", finaliza o neurocirurgião.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!