Notícias » Estados Unidos

“A quarta-feira foi a Noite dos Cristais aqui nos EUA”, diz Schwarzenegger sobre invasão ao Capitólio

Em seu Twitter, o ex-governador da Califórnia condenou o ato de apoiadores de Trump, os comparando aos nazistas da 2ª Guerra. “A parte boa é que em breve, [Trump] será tão irrelevante quanto uma mensagem velha no Twitter”

Fabio Previdelli Publicado em 11/01/2021, às 09h43

O ator e ex-Governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger
O ator e ex-Governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger - Wikimedia Commons

Na noite do último domingo, 10, o ator hollywoodiano e ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger usou seu Twitter para tecer duras críticas a invasão do Capitólio por apoiadores do futuro ex-presidente americano Donald Trump, que aconteceu na última quarta-feira, 6. As informações são do O Globo.  

Segundo o ator, a invasão pode ser comparada com a Noite dos Cristais, evento que foi o prelúdio do Holocausto. Durante o episódio, cerca de 100 judeus foram mortos por nazistas e milhares de sinagogas e outros centros judaicos foram destruídos nos territórios da Alemanha, Tchecoslováquia e Áustria. 

“A quarta-feira foi a Noite dos Cristais aqui nos Estados Unidos. Os vidros quebrados foram os da janela do Capitólio”, afirmou o ex-governador ao dizer que os Proud Boys, grupo de extrema-direita, podem ser considerados os nazistas da atualidade. “A turba não quebrou apenas as janelas da capital, mas despedaçou as ideias que dávamos como garantidas”. 

Nascido na Áustria, em 1947, apenas dois anos após o fim da Segunda Guerra, Schwarzenegger — que se naturalizou americano em 1983 — contou como foi sua vida crescendo na Europa Central e a comparou com o que é vivido hoje nos EUA. “Sendo da Europa, eu vi em primeira mão como as coisas podem sair do controle”. 

Apesar disso, ele diz que acredita que algo semelhante não vá acontecer com o país, embora alerte que os americanos têm que ser conscientes das “duras consequências do egoísmo e do cinismo”.

O ex-governador da Califórnia, que assumiu o cargo entre 2003 e 2011, ainda descreveu Trump como um “líder fracassado” e o “pior presidente da História”. “A parte boa é que em breve, [Trump] será tão irrelevante quanto uma mensagem velha no Twitter”.