Notícias » Arqueologia

Restos de antepassado do peixe-boi é encontrado em deserto no Egito

Analisado por cientistas, o fóssil de 40 milhões de anos sugere que a região desértica, no passado, era coberta por água

Pamela Malva Publicado em 15/10/2020, às 17h02

Imagem meramente ilustrativa de um peixe-boi, descendente do Sirenia
Imagem meramente ilustrativa de um peixe-boi, descendente do Sirenia - Divulgação/Pixabay

Em meados de 2019, arqueólogos encontraram fósseis de um antigo parente dos peixes-boi no Egito. Datados do final do Eoceno, os Sirenia aparentemente nadavam em uma parcela de água que, hoje, transformou-se no Deserto Oriental do Egito.

Divulgado apenas nesta terça-feira, 13, durante a conferência anual da Society of Vertebrate Paleontology, o achado contou com vértebras, costelas e ossos dos membros do animal. Ainda que não seja o primeiro conjunto de ossos da espécie descoberto no Egito, o fóssil é o único datado do período do Eoceno.

Em vida há 40 milhões de anos, os Sirenia eram seres semiaquáticos. Com o tempo, contudo, tais mamíferos herbívoros tornaram-se animais exclusivamente aquáticos, segundo dados publicados pela Universidade de Michigan, em 2012.

De acordo com os cientistas, a descoberta do fóssil ainda sugere que o deserto egípcio, no passado, era um ambiente marinho levemente raso — o típico habitat dos Sirenia. Hoje, enquanto uma pequena população de seus descendentes vive no Mar Vermelho, fósseis da espécie já foram encontrados na Líbia, Madagascar e Somália.