Notícias » Arqueologia

Tesouros otomanos inestimáveis são apreendidos por governo do Chipre

Os incríveis artefatos foram descobertos no Mar Mediterrâneo e, segundo autoridades cipriota, foram extraídos de forma ilícita.

Pamela Malva Publicado em 18/05/2020, às 14h00 - Atualizado às 14h29

Foto de algumas das porcelanas encontradas na expedição
Foto de algumas das porcelanas encontradas na expedição - Divulgação/Enigma Recoveries

Com a ajuda de uma tecnologia sensível e precisa, arqueólogos britânicos encontraram um aglomerado de 12 naviosnaufragados do século 17. Localizados na região do Chipre, no Mar Mediterrâneo, a expedição revelou artefatos inestimáveis.

Apesar do incrível achado, contudo, o governo do Chipre acusou a Enigma Recoveries, empresa privada responsável pela descoberta, de escavação ilícita. A fantástica carga foi, então apreendida pelo Estado cipriota.

Tanto o governo de Chipre quanto a Enigma Recoveries, no entanto, temem que a enorme coleção — que conta com 588 artefatos históricos — seja vendida em leilões. Em sua defesa, a empresa de expedições afirmou que levaria a coleção até um museu.

Prato de porcelana encontrado entre os navios naufragados / Crédito: Divulgação/Enigma Recoveries

 

As escavações marítimas foram feitas na Bacia do Levantine e revelaram peças de valor inestimável provenientes de diversos países. Entre as embarcações exploradas estava um colossal navio otomano de 43 metros de comprimento.

O enorme barco revelou uma rota da seda desconhecida até então, que ligava a China e a Pérsia. Nele, foram identificadas as primeiras porcelanas da dinastia Ming já descobertas no Mar Mediterrâneo.

Além das peças raras, os arqueólogos ainda identificaram jarros italianos, 12 cafeteiras, grãos de pimenta, vidro e cerâmica da Bélgica, Espanha, Itália, Iêmen e Golfo Pérsico, e incensos árabes. Existiam ainda peças de cerâmica inglesa, cortinas italianas, cocos e grãos egípcios.

Uma das descobertas mais incríveis da expedição, no entanto, contou com uma coleção de 360 ​​xícaras decoradas, datadas 1627 a 1644. Tais artefatos indicam que o costume de tomar chá nasceu muito antes dos britânicos.

Confira mais imagens dos artefatos encontrados:

Alguns dos vasos encontrados / Crétido: Divulgação/Enigma Recoveries

 

Âncora encontrada entre os artefatos / Crétido: Divulgação/Enigma Recoveries

 

Um dos jarros encontrados pelos exploradores / Crétido: Divulgação/Enigma Recoveries