Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

Trabalho humanitário do padre Júlio Lancellotti é alvo de CPI das ONGs

O vereador Rubinho Nunes (União Brasil) conseguiu a aprovação para a criação da CPI das ONGs, cujo principal alvo é o trabalho do padre Lancellotti

Redação Publicado em 03/01/2024, às 16h05

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Padre Júlio Lancellotti durante a celebração de uma missa - Divulgação/Vídeo/YouTube/OArcanjoNoAr
Padre Júlio Lancellotti durante a celebração de uma missa - Divulgação/Vídeo/YouTube/OArcanjoNoAr

Foi anunciado nesta quarta-feira, 3, que o vereador de Rubinho Nunes (União Brasil), obteve as assinaturas necessárias para a abertura da CPI das ONGs na Câmara paulistana. A iniciativa de um dos fundadores do Movimento Brasil Livre (MBL), assinada por 25 de seus colegas, visa investigar a atuação do padre Júlio Lancellotti, da Paróquia de São Miguel Arcanjo, e seu trabalho filantrópico na Cracolândia, região central da capital paulista. 

Estima-se que a comissão inicie sua investigação com o fim do recesso, no dia primeiro de fevereiro, conforme repercutiu o jornal O Globo. O pedido inicial planeja investigar duas organizações que realizam trabalhos comunitários em apoio a população de rua e dependentes químicos da região, são elas o coletivo Craco Resiste e o Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto (Bompar). 

Nunes alega que o padre Lancellotti possui parceria com as duas entidades. Em uma entrevista concedida ao jornal O Globo, o vereador disse receber “inúmeras denúncias” a respeito do trabalho realizado por várias ONGs no Centro de São Paulo, que dão alimentos aos necessitados, mas não realizam o acolhimento deles. 

Existe uma chamada máfia da miséria para obter ganhos por meio da boa-fé da população e isso não é ético e nem moral. O padre Júlio é o verdadeiro cafetão de miséria em São Paulo. A atuação dele retroalimenta a situação das pessoas. Não é só comida e sabonete que vai resolver a situação.”, afirmou o vereador Rubinho Nunes

Acusações

Em resposta as acusações, o padre Júlio Lancellotti explicou que não faz parte da Bompar há mais de 17 anos e negou qualquer relação com as organizações mencionadas. “Elas são autônomas, têm diretorias, técnicos, funcionários. A Câmara tem direito de fazer uma CPI, mas vai investigar e não vai me encontrar em nenhuma das duas.”, disse o religioso à Folha de S. Paulo. 

É importante ressaltar que está não é a primeira vez que o vereador crítica o trabalho humanitário do padre publicamente. Em dezembro do ano passado, Nunes convocou Lancellotti a depor na Frente Parlamentar em Defesa do Centro. 

As ONGs e demais cafetões da miséria vão ter que se explicar” disse Rubinho Nunes na ocasião.

Nas redes sociais, a criação da CPI foi recebida com críticas da população e de parlamentares, com o termo “padre Júlio” chegando aos assuntos mais comentados do dia no X (antigo Twitter). 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!