Matérias » Brasil Império

5 coisas que você precisa saber sobre o Segundo Reinado antes de assistir 'Nos Tempos do Imperador'

Nova novela da Globo narrará trajetória de dom Pedro II. Conheça mais detalhes sobre seus anos de poder!

Fabio Previdelli Publicado em 30/07/2021, às 00h00

dom Pedro II será vivido por Selton Mello
dom Pedro II será vivido por Selton Mello - Museu Nacional de Belas Artes e Divulgação/TV Globo/Paulo Belote

Conforme noticiado pela equipe do site do Aventuras na História, no próximo dia 9 de agosto, a rede Globo vai estrear sua nova novela: “Nos tempos do Imperador”. Ambientada entre os anos de 1856 e 1870, a trama narrará a trajetória de Dom Pedro II

A história destacará, segundo a autora Thereza Falcão, “a relação dele [Pedro II] com ensino, cultura, patrocínio à ciência”, feitos pelo qual ela considera justo o monarca ter sido eleito “O maior brasileiro de todos os tempos”. 

Mas antes da estréia, nós do site do Aventuras separamos 5 coisas que você precisa saber sobre o Segundo Império antes de começar acompanhar a nova novela. Confira nossa lista: 

1. O começo de tudo 

O segundo reinado começou em 23 de julho de 1840, quando dom Pedro II assumiu o trono. Porém, isso só foi possível graças ao chamado Golpe da Maioridade. Como explica matéria da InfoEscola, o imperador só poderia assumir o poder quando completasse 15 anos — o que só aconteceria em dezembro. 

Porém, com o apoio do Partido Liberal, essa data foi adiantada. A intenção do grupo era que, com a coroação de Pedro II, os conflitos que se passavam no país pudessem ser resolvidos.  

Dom Pedro II quando criança/ Crédito: Museu Imperial

 

Como explica o Brasil Escola, antes disso, durante o Período Regencial, a política brasileira era dividida em dois partidos: o Conservador e os Liberais — cada qual com suas ideias e pensamentos. Como naquela época a disputa entre os dois era intensa, o gabinete ministerial tentou reduzir as rusgas como um revezamento de liderança, mas as coisas não adiantaram muito. Assim, coube ao novo imperador cuidar da situação.


2. Meu reino, minhas regras 

Com sua ascensão ao poder, dom Pedro II promoveu uma série de mudanças políticas no país que, em tese, seriam inspiradas no parlamentarismo britânico — onde o monarca deixa as principais tomadas de decisões nas mãos de um primeiro-ministro, que tem que prestar contas somente ao parlamento. Quando necessário, os parlamentares julgam destituí-lo ou não do cargo. 

Charge que representa a alternância de partidos no Império durante o Segundo Reinado/ Crédito: Faria/Wikimedia Commons

 

Porém, como explica José Murilo de Carvalho em ‘A construção da ordem: a elite política imperial’, as coisas por aqui acabaram sendo do “avesso”, com o imperador tendo total liberdade para interferir na política sempre que achasse necessário, ou então da maneira que lhe garantisse seus interesses. Ou seja, caso um primeiro-ministro não lhe agrasse, o monarca tinha total liberdade para tirá-lo de sua função.


3. Café, a obra prima da consolidação econômica 

No Segundo Reinado, o país se consolidou economicamente com a produção cafeeira. De início, o plantio começou no Vale do Paraíba, no Rio de Janeiro, conforme aponta o Toda Matéria, e, posteriormente, o cultivo se espalhou por São Paulo.  

Com isso, o país começou a exportar mais do importar a matéria prima, o que aumentou a necessidade de uma maior mão de obra. Dessa maneira, as regiões que plantavam o grão logo se tornaram as principais compradoras de escravos — o que fez com que os fazendeiros não vissem de maneira muito animadora a abolição da escravatura.  

Descascamento de café em 1820/ Crédito: Museu Paulista da Universidade de São Paulo/Wikimedia Commons

 

Além disso, outra área que também teve um crescimento exponencial foi a indústria, que passou por uma enorme revolução, explica o Brasil Escola. Entre os anos de 1840 e 1860, por exemplo, as receitas do país aumentaram quatro vezes.  

Parte disso aconteceu por conta da Lei Eusébio de Queirós, que passou a proibir o tráfico negreiro. Dessa maneira, os recursos que eram usados para a compra de escravos passaram a ser investidos. Logo, as exportações aumentaram e o país começou seu plano de expansão em estradas de ferro.


4. A escravidão 

Um dos principais temas tratados na política da época era a abolição da escravatura. Como explica o Toda Matéria, o tema já era abordado por parte da sociedade e também por jornais. Além do mais, escravos, por meio dos quilombos e de irmandades religiosas, buscavam sua alforria na Justiça. 

Princesa Isabel no Paço Imperial, momentos após a assinatura da Lei Áurea/ Crédito: Abner Ismael Bento/Wikimedia Commons

 

O primeiro passo dado para o fim da escravidão aconteceu em 1850, quando a Lei Eusébio de Queirós, que proibia o tráfico negreiro no país, foi sancionada. Entretanto, o processo todo ocorreu de forma mais contida, só acabando de fato em 13 de maio de 1888, com a assinatura da Lei Áurea. Antes disso, outras leis já haviam entrado em vigor, como a Lei de Terras, do Ventre Livre e do Sexagenários.


5. O fim do Império 

O fim do reinado de dom Pedro II acabou em 15 de novembro de 1889, quando Marechal Deodoro da Fonseca, liderando tropas militares, proclamou a República no Brasil, se tornando o primeiro presidente do país.  

O imperador dom Pedro II/ Crédito: Abner Ismael Bento/Wikimedia Commons

 

Porém, o império começou a ruir muito antes, como explica o Brasil Escola, principalmente depois que dom Pedro II se desgastou com três importantes frentes: a elite rural, a igreja e os militares — esse último sendo o príncipal grupo responsável pela queda, já que estavam insatisfeitos com o império desde o fim da Guerra do Paraguai.


+Saiba mais sobre o Brasil Imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

O Brasil Imperial (Vol. 1), de Keila Grinberg (2010) - https://amzn.to/2yXKnV8

O Castelo de Papel: Uma história de Isabel de Bragança, princesa imperial do Brasil, e Gastão de Orléans, conde d'Eu eBook Kindle, de Mary del Priore (2013) - https://amzn.to/2xv4dXo

Nostalgia imperial: Escravidão e formação da identidade nacional no Brasil do Segundo Reinado eBook Kindle, de Ricardo Salles (2014) - https://amzn.to/2y7PuSB

Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial, de Sidney Chalhoub (2018) - https://amzn.to/2VSL7DW

Justiça Infame: Crime, Escravidão e Poder no Brasil Imperial, de Yuri Costa (2019) - https://amzn.to/2YoKpQv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W