Matérias » Personagem

Amou demais: Membro dos Romanov foi ex-comungado por roubar diamantes da própria mãe para dar à noiva

Nicolau Constantinovich estava apaixonado por pela atriz Fanny Lean e decidiu cometer uma loucura criminosa para agradar sua amada

Wallacy Ferrari Publicado em 15/03/2020, às 07h00 - Atualizado às 09h00

Nicolau Constantinovich (à esq.) junto a Fanny Lean (à dir.) em montagem
Nicolau Constantinovich (à esq.) junto a Fanny Lean (à dir.) em montagem - Domínio Público

Neto de Nicolau I, Nicolau Constantinovich teve uma infância privilegiada, com uma educação especial e modos que condenavam qualquer tipo de ato criminoso. Filho mais velho do grão-duque Constantino Nikolaevich da Rússia e da grã-duquesa Alexandra Iosifovna, chegou a ser um oficial militar de mérito, mas seu crime iniciou, justamente, por amar demais.

Durante um baile, em São Petesburgo, na Rússia, o militar conheceu a mulher que mudaria sua vida. Fanny Lean, uma atriz e dançarina estadunidense, foi apenas um caso na ocasião, mas seu carisma, beleza e independência chamou a atenção do grão-duque, que logo inicou uma amizade e, posteriormente, um relacionamento amoroso.

Nascida em 1948 na Filadélfia, Fanny Lean se chamava na verdade Hattie Blackford. Teve seu primeiro filho aos 16 anos com Beale Blackford, entretanto, há registros de que a própria Fanny assassinou o marido e usou seu poder aquisitivo para entrar na alta sociedade. Com sua beleza e charme na juventude, se tornou uma das damas mais cobiçadas no final do século 19, na Europa.

Porém, o romance não agradava a família de Nicolau. O fato de Fanny não ser de uma família de classe e não possuir laços de sangue com nenhuma realeza envergonharia a diplomacia dos Romanovs. Além disso, ocorreria uma desigualdade devido a fortuna de Nicolau. O casal optou por ignorar as tentativas de afastamento e se edificaram conforme o amor crescia.

Quando o grão-duque foi chamado para lutar no Exército, pediu a atriz em noivado. Na volta, planejou um enorme casamento, além de embarcar um uma longa jornada por países da Europa junto a noiva, gastando somas impressionantes de dinheiro com itens de vestimenta e mobília para ambos.

O acesso ao dinheiro não era ilimitado; Nicolau, assim como seus irmãos e outros membros da nobreza, recebiam anualmente uma quantia muito grande e confortável para suprir seus custos de vida ao longo dos meses, mas sem a possibilidade de receber mais antes da virada do ano, pois o dinheiro era coletado e contado graças a impostos e comércio, que na época eram lentos.

Nicolau Constantinovich era considerado um "mulherengo inparável" / Crédito: Domínio Público

 

Com o aperto e a necessidade de demonstrar poder, o grão-duque abriu mão de sua criação e, em abril de 1874, roubou três diamantes no palácio dos seus pais. Inicialmente, muitos funcionários do governo, empregados da casa e até mesmo Fanny foram alvo de desconfiança, apesar de não estarem na residência quando a família sentiu a falta dos itens.

Com acusações sem embasamento, as suspeitas causaram um mal estar entre as monarquias envolvidas no caso e mostrou desorganização na liderança. Porém, a investigação conduziu as pistas até o próprio Nicolau, que levou os diamantes roubados para uma loja de penhores, onde conseguiu uma quantia suficiente para se manter até o fim daquele ano.

Interrogado, o grão-duque não manifestou nenhum tipo de arrependimento pelo furto do item de sua mãe; ao contrário, assumiu a autoria e informou que compraria presentes para sua amada com o dinheiro obtido no roubo. O mal-estar causado na residência dos Romanov foi tão grande que Nicolau perdeu todos os privilégios da Família Imperial por tempo indeterminado.

Considerado louco, foi enviado para o interior, onde viveu em outra residência imperial sem privilégios luxuosos. Eventualmente, era mandado para a Ásia Central, mas pouco saía de casa. Seus compromissos reais foram completamente excluídos da agenda imperial e Nicolau nem ao menos pôde comparecer no funeral e enterro de Alexandre II, seu tio, falecido em 1881.

Enquanto morava em Tashkent, dedicou-se a governar para as pessoas da região, buscando melhorar as condições de vida dos cidadãos. Foi quando conheceu e casou-se com Nadezhda Alexandrovna von Dreyer, em 1882. Com a moça, Nicolau teve dois filhos. Fanny por sua vez, se tornou escritora e chegou a ter um livro como best-seller, escrito em inglês e francês. A atriz e o grão-duque nunca mais se encontraram.


+Saiba mais sobre os Romanov através das obras abaixo:

1. O último tsar: Nicolau II, a Revolução Russa e o fim da Dinastia Romanov, de Robert Service - https://amzn.to/2WpbqjG

2. Os Romanov: O fim da dinastia, de Robert K. Massie - https://amzn.to/2otO67Q

3. In the Trenches: A Russian Woman Soldier's Story of World War I, de Tatiana Dubinskaya - https://amzn.to/324JVxe

4. Catarina, a Grande, & Potemkin: Uma história de amor na corte Románov, de Simon S. Montefiore - https://amzn.to/320p0uU

5. As Irmãs Romanov – A Vida das Filhas do Último Tsar, de Helen Rappaport - https://amzn.to/34f3IeD

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.