Matérias » Curiosidades

8 fofocas históricas que acabaram tendo consequências reais

Ao longo da história, boatos não verificados tiveram graves consequências para os envolvidos

Redação Publicado em 13/02/2020, às 08h00

Luis XV e Barack Obama: Vítimas dos boatos
Luis XV e Barack Obama: Vítimas dos boatos - Getty Images

Ao longo da História, rumores não verificados, mas plausíveis, tiveram graves consequências, como mortes e destruições. No livro A Colorful History of Popular Delusions, os autores Robert Bartholomew e Peter Hassall descrevem rumores como histórias de importância percebida que carecem de evidência substancial.

Essas falsas histórias costumam se espalhar quando a demanda de informações é maior do que a oferta, e ocorre com mais frequência em períodos de crises ou guerras.

Conheça oito rumores que tiveram grandes consequências na história da humanidade.

1. O Rei Luís XV sequestrou crianças

Em 1750, acreditava-se que tomar banho de sangue de crianças ajudava a curar a lepra. Quando diversas crianças começaram a desaparecer das ruas de Paris, surgiu um rumor de que o rei Luis XV havia se tornado leproso e estava sequestrando crianças para matá-las e se banhar no sangue delas.

Rei Luís XV da França / Crédito: Wikimedia Commons

 

De fato, as autoridades haviam recebido a ordem de limpar as ruas e levar as crianças doentes para casas de detenção. Alguns policiais ultrapassaram a ordem e passaram a sequestrar quaisquer crianças que encontravam nas ruas. No fim, tudo foi resolvido e os rumores a respeito do rei foram esquecidos.

2. Londres estava prestes a ser destruída por um terremoto

Dois pequenos terremotos, que atingiram Londres no início de 1761, levaram ao surgimento de um boato assustador: a cidade seria destruída por um terceiro e devastador abalo, em 5 de abril do mesmo ano. Supostamente, um médium havia previsto a catástrofe.

Grande parte da população entrou em pânico e fugiu da cidade. Aqueles que não puderam pagar por acomodação se acamparam nos campos mais distantes da capital. Um soldado, convencido do terrível destino de Londres, correu pelas ruas anunciando a iminente destruição. Nada aconteceu, e ele acabou internado em um hospício.

3. Judeus envenenaram poços dos cristãos

No século 14, quando a Peste Negra assolava a Europa, milhares de judeus foram perseguidos e mortos por causa de um boato. Os rumores diziam que o Diabo estava os protegendo da praga – para isso, eles deviam envenenar os poços dos cristãos.

Só em 1321, em Guienne, na França, cerca de 5 mil judeus foram queimados vivos por supostamente envenenar poços. Comunidades judias também foram expulsas ou tiveram seus assentamentos incendiados — tudo por causa de uma acusação infundada.

4. Bandidos aterrorizaram o campo francês

Em julho de 1789, às vésperas da Revolução Francesa, a tensão generalizada fez com que surgissem rumores de que a nobreza antirrevolucionária havia plantado bandidos para aterrorizar os camponeses e roubar seus estoques de mantimentos.

Luzes, fogueiras e até o reflexo do sol assustavam os moradores do campo, que chegaram a formar milícias em resposta aos bandidos. Em um incidente próximo à comuna de Troyes, um grupo de bandidos foi descoberto e perseguido por 3 mil homens — no fim, tratava-se apenas de um rebanho de gado.

5. O governo da Indonésia usou cabeças humanas em projetos de construção

Em certas regiões da Indonésia, os moradores acreditam que grandes projetos de construção exigem cabeças humanas para evitar que as estruturas desmoronem. Em 1937, uma das ilhas indonésias foi tomada pelo rumor de que um caçador enviado pelo governo estava procurando uma cabeça para colocar em uma nova construção.

Os moradores locais relataram ruídos, presenças estranhas e até ataques do suposto caçador de cabeças. Apavorados, começaram a evitar aparecer em público por mais tempo do que fosse necessário. Rumores similares surgiram em 1979 e em 1981, mas acabaram sendo esquecidos.

6. Chiclete afrodisíaco foi vendido no Oriente Médio

Em 1996, no Egito, surgiu um boato de que estudantes universitários haviam comprado chicletes que continham substâncias afrodisíacas. Como resultado, estavam organizando orgias.

Imagem meramente ilustrativa de um chiclete / Crédito: Divulgação

 

Um parlamentar afirmou que o tal chiclete havia sido distribuído pelo governo de Israel para corromper os jovens egípcios, e os líderes religiosos começaram a alertar as pessoas a evitar o chiclete. As autoridades fecharam alguns estabelecimentos comerciais e realizaram algumas prisões, mas nunca encontraram nenhum chiclete contaminado.

7. Feiticeiros assombraram a Indonésia

A ação de feiticeiros em Java Oriental, na Indonésia, teria provocado a morte de vários aldeões. Os moradores das áreas rurais iniciaram uma série de processos por injustiças e doenças supostamente causadas por feiticeiros.

Os suspeitos de feitiçaria foram levados à delegacia para serem investigados. Isso foi visto como prova de que eles eram, de fato, feiticeiros, e muitos foram mortos pelos moradores. Antropólogos que estudaram o caso garantem que as histórias de feitiçaria foram inteiramente baseadas em fofocas.

8. Barack Obama foi ferido em uma explosão na Casa Branca

Em 23 de abril de 2013, um tweet falso de uma conta hackeada da Associated Press anunciou que explosões na Casa Branca haviam ferido Barack Obama.

Barack Obama, ex-presidente dos Estados Unidos / Crédito: Divulgação

 

A informação se espalhou rapidamente pelas redes e causou instabilidade no mercado financeiro internacional — o Standard & Poor's 500 perdeu 130 bilhões de dólares em um curto período de tempo.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras: 

Luís XVI: 652, de Bernard Vincent (2007) - https://amzn.to/38ocKbR

Londres, de Lonely Planet (2014) - https://amzn.to/2vvpA9K

A história dos judeus, de Simon Schama (2015) - https://amzn.to/2USVoQa

1789: O surgimento da Revolução Francesa, de Georges Lefebvre (2009) - https://amzn.to/37hE8qp

Barack Obama, de Lane Rollason (2010) - https://amzn.to/3bwZcN9

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.