Matérias » Brasil

A polêmica por trás da origem da palavra "criado-mudo"

A expressão pode ser considerada racista?

Redação Publicado em 28/11/2021, às 09h00 - Atualizado em 29/11/2021, às 00h34

Imagem ilustrativa de mesa de cabeceira
Imagem ilustrativa de mesa de cabeceira - Getty Images

Ao longo de séculos, os cidadãos brasileiros foram familiarizados com inúmeros termos aparentemente inofensivos, mas que hoje são questionados por terem origens racistas. 

Você provavelmente já ouviu falar que expressões como "mulato", "da cor do pecado" e "ovelha negra", tão utilizadas no passado, deveriam ser abolidas de nossos diálogos. Porém, talvez não saiba que a palavra "criado-mudo" também faz parte dessa lista. 

"Nosso idioma foi construído sob forte influência do período de escravização e muitas destas expressões seguem sendo usadas até hoje, ainda que de forma inconsciente ou não intencional. Precisamos repensar o uso de palavras e expressões que são frutos de uma construção racista", declarou a Defensoria Pública da Bahia em uma cartilha chamada "Expressões Racistas do Cotidiano", divulgada para o Dia da Consciência Negra.

Manifestantes em protesto contra o racismo, em SP / Crédito: Getty Images

 

A expressão "criado mudo"

Segundo a teoria de iniciativas que buscam eliminar o uso preconceituoso da língua, o termo "criado-mudo" faria referência "aos criados, geralmente pessoas escravizadas, que deveriam segurar objetos para seus senhores e eram proibidos de falar".

Por esse motivo, conforme informou a BBC, o dicionário da Defensoria Pública recomenda a substituição da palavra por "mesa de cabeceira".

Mulher encobrindo a boca em imagem ilustrativa / Crédito: Pixabay / RobinHiggins

 

Origem no inglês?

Entretanto, a afirmação não é unânime. Aqueles que questionam essa teoria alegam que, no passado, o termo "criado" não era utilizado para descrever escravizados, mas sim pessoas criadas dentro de uma certa família, como os adotados.

Segundo esta corrente, a expressão seria bem antiga e derivaria do inglês "dumbwaiter" ('servente burro', no sentido literal) que, conforme o dicionário Oxford, era o nome dado tanto a um elevador de transporte de refeições presente restaurantes ou residências privadas, quanto a "uma mesa auxiliar" de serviço.

Família brasileira do século 19 sendo servida por escravizados / Crédito:Domínio público / Jean-Baptiste Debret

 

Os dumbwaiters

De acordo com a fonte, a Associação Histórica da Casa Branca afirmou que o próprio autor da Declaração de Independência americana, Thomas Jefferson dispunha de "dumbwaiters" em eventos informais que ocorriam em Washington.

"Os serventes traziam a comida quente, mas não permaneciam no aposento durante a refeição. A conversa fluía livremente, sem a possibilidade de que trabalhadores pudessem ouvir informações sensíveis e repeti-las fora da Casa Branca", declarou a associação, que citou como referência o livro The President's House, de autoria de William Seale.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Escravidão e cidadania no Brasil monárquico, de Hebe Maria Mattos (1999) - https://amzn.to/2rcVZPV

Liberdade por um fio, de Vários autores (1996) - https://amzn.to/2O0tmyA

Criminologia do preconceito, de Evandro Piza Duarte e Salo de Carvalho (2017) - https://amzn.to/2A4yTiU

Racismo Estrutural, de Silvio Almeida (2019) - https://amzn.to/2zlTBe8

Racismo Recreativo, de Adilson Moreira (2019) - https://amzn.to/3e72abq

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W