Matérias » Personagem

Da luta antifascista à pobreza: a glória e a tragédia da socialite Nancy Cunard

Filha de dois herdeiros, Cunard trocou o dinheiro pelo ativismo, lutando contra o que acreditava ser injusto — porém, enfrentou a injustiça na própria pele

Vanessa Centamori Publicado em 19/07/2020, às 08h00

Nancy Cunard
Nancy Cunard - Wikimedia Commons

Os últimos versos de um poema feito pela artista e amiga próxima, Mina Loy, em homenagem à socialite Nancy Cunard — uma das musas mais fascinantes do século 20 — compara a voz da socialite com o tecido chiffon, que é bem leve e fino. Mas, também fala de algo muito intenso: "a parede de vermelhão/ retrocedendo como pecado / além da sua brancura de pedra da lua", proclama a poesia.  

Realmente, o que tinha de elegância e fineza, Cunard também carregava de intensidade. Usando roupas sofisticadas, não deixou de ver no mundo grandes injustiças. Ainda que fosse criada aos confortáveis moldes do requinte, se rebelou. Foi uma extraordinária jornalista de guerra, humanitária e defensora dos direitos civis.

Infância e rumores

A dama inglesa nasceu em 10 de março de 1896 e era filha de dois herdeiros: Sir Bache Cunard, que adquiriu de berço a transportadora marítima Cunard Line; e Maud Alice Burke, dona de uma fortuna familiar na sociedade londrina. 

Passando a infância entre um colégio interno e outro, Cunard viveu na França, Alemanha e Inglaterra. Foi em Londres que ela conviveu bastante tempo com o admirador de sua mãe, o romancista George Moore. Havia até rumores de que o escritor era seu verdadeiro pai, mas nada confirmado. 

Símbolo da antiga transportadora marítima Cunard Line / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Vida adulta 

A socialite namorou muitos escritores, como Ezra Pound, TS Eliot e Wyndham Lewis. Mas, sua primeira paixão foi um jogador de críquete, Sydney Fairbairn, com quem se casou em 15 de novembro de 1916. No entanto, ela mantinha um romance secreto com Peter Broughton-Adderley, que foi assassinado em 1918. 

Um ano depois, Nancy Cunard se divorciou de Fairbairn.Inquieta, mudou-se para Paris em 1920, onde começou a escrever obras de modernismo literário. Teve contato também com dadaístas e surrealistas, que trocaram com ela opiniões sobre arte e a influência da classe dominante.

Naquele mesmo ano, a mulher fez uma cirurgia de histerectomia (remoção do útero), que, por pouco não terminou em morte. Mas, ela se recuperou, voltando a ser ativa sexualmente. Livre daquela experiência angustiante, em 1927, a herdeira se mudou novamente, desta fez para uma fazenda, em  La Chapelle-Réanville, Normandia. 

Nancy Cunard e o pianista de jazz negro Henry Crowder / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Jornalista e ativista

Cunard rejeitou os lugares frequentados pela fortuna. Passou a atuar como jornalista e lançou uma publicação, conhecida como Hours Press, que revolucionou pelo design e qualidade. Nancy Cunard podia ousar, pois não tinha as mesmas amarras dos outros editores jornalísticos da época. 

Em 1928, a socialite voltou pra Paris e conheceu o pianista de jazz negro Henry Crowder, que mudou o curso de sua vida. O relacionamento dela com Crowder abriu os olhos da mulher rica para a injustiça racial. Ela passou a atuar como defensora de direitos civis. Editou e publicou a obra Negro Anthology, em 1934, com participação de 150 colaboradores, entre eles, Zora Neale Hurston e Langston Hughes.

Ainda na década de 1930, Cunard se direcionou também à luta antifascita. Escreveu sobre a anexação de Mussolini ao território da atual Etiópia, durante a Segunda Guerra Ítalo-Etíope, enquanto estava em curso a Guerra Civil Espanhola. Escrevia em suas publicações que os eventos da Espanha seriam antecessores à uma guerra mundial. E estava certa, pois depois de fato ocorreu a Segunda Guerra (1939-1945). 

Cunard redigiu ainda sobre o sofrimento dos refugiados espanhóis para o jornal Manchester Guardian e se arrastou para as frentes de batalha no meio do fogo da artilharia. Lançou um gênero literário político único e convidou escritores famosos a tomarem também partido contra o fascismo. 

Na França, ajudou a montar abrigos para os sobreviventes, implorando nas ruas de Paris por crianças famintas da Espanha. Escreveu panfletos de poesia de críticas à guerra e, mais tarde, atuou como tradutora em Londres em nome da Resistência Francesa. 

Carta de protesto durante a Guerra Civil Espanhola, que foi exposto em rua de Madrid. Se lê "Não passarão! O fascismo quer conquistar Madrid" / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Triste fim 

A mulher rica lutou para resgatar refugiados espanhóis do regime de Franco, auxiliando alguns a se encontrarem na América Latina. Também se voluntariou em um movimento de guerrilha para restaurar a democracia na Espanha. Durante todo o tempo, continuou compondo poesias e escrevendo ensaios e reportagens.

Até que sua saúde começou a ficar frágil e ela sofreu vários episódios de mania, conforme a idade avançava. Teve problemas sérios com sua saúde mental, sofrendo de tendências autodestrutivas e alcoolismo. Até que, em 1960, depois de algumas brigas com a polícia de Londres, foi declarada "louca" e internada em um hospital psiquiátrico.

A fortuna certamente ficou em segundo plano, e o ativismo primeiro. A saúde frágil foi o toque final para o fim do dinheiro. A pobre Cunard, quando saiu da clínica, passou cinco anos nas ruas, bebendo muito, comendo quase nada e reclamando para colegas acerca de brancos e "fanáticos". 

Em 17 de março de 1965, quando já tinha passado seu aniversário de 69 anos, ela passou por uma longa bebedeira alcoólica em Paris. Magra e chegando a pesar 26 quilos, a polícia a encontrou desmaiada nas ruas parisienses. Mal conseguia lembrar o próprio nome. Morreu apenas dois dias depois. 

O poeta chileno Pablo Neruda escreveu sobre o óbito de Nancy Cunard, para homenageá-la. "O corpo dela havia desaparecido em uma longa batalha contra a injustiça no mundo", redigiu. "Sua recompensa foi uma vida que se tornou progressivamente mais solitária". 


+Saiba mais sobre o tema por meio das obras disponíveis na Amazon:

Uma fortuna perigosa, de Ken Follett (2019) - https://amzn.to/30isIkN

The Socialite, de J'nell Ciesielski (2020)- https://amzn.to/3jaNpYB

She Killed Selena (Edição Inglês), de Amy Delaney - https://amzn.to/2Ux7EFB

A História Máfia, de Jo Durden Smith (2014) - https://amzn.to/36Amek4

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W