Matérias » Personagem

Da tumba à verdadeira cor: os maiores enigmas de Cleópatra

Morta em 30 a.C, a famosa Faraó ainda chama atenção de pessoas que conhecem a sua história, que é marcada por inúmeras dúvidas

Giovanna Gomes Publicado em 21/10/2020, às 11h36

Elizabeth Taylor no papel de Cleópatra (1963)
Elizabeth Taylor no papel de Cleópatra (1963) - Getty Images

A rainha Cleópatra foi, sem dúvidas, uma das figuras mais importantes e poderosas do mundo antigo. Conhecida por sua inteligência, a rainha ainda hoje fascina uma legião de pessoas ao redor do mundo.

No entanto, existe uma série de enigmas envolvendo a faraó, além de afirmações que ainda sobrevivem no imaginário popular, mas que não condizem com as mais recentes descobertas dos pesquisadores. Assim, separamos alguns enigmas sobre a mais poderosa rainha do Egito.

1. A verdadeira cor de Cleópatra

Devido à influência das grandes produções de Hollywood no imaginário das pessoas, a imagem que muitos têm de Cleópatra é a de uma mulher branca com traços finos e caucasianos. No entanto, sabe-se que a rainha era mestiça e possuía sangue grego, egípcio e macedônio, os quais eram povos muito miscigenados.

Elizabeth Taylor interpretando Cleópatra - Getty Images

 

Por isso, a verdadeira cor de Cleópatra é um dos maiores enigmas relacionados à Rainha do Nilo. Para algumas pessoas, por ter sangue egípcio, ela seria negra, enquanto para outros, devido a sua origem grega, ela seria branca. Mesmo entre os pesquisadores há divergência de pensamentos.

Mas a polêmica não se restringe apenas ao mundo da historiografia. Recentemente foi anunciado que a atriz Gal Gadot, uma mulher branca, interpretaria Cleópatra em um novo filme sobre a faraó dirigido por Patty Jenkins. A escolha não agradou a muitas pessoas, que esperavam por uma atriz negra no papel.

2. Sua beleza

Cleópatra sempre foi interpretada no cinema por atrizes lindas como Vivian Leigh e Elizabeth Taylor. No entanto, a rainha em nada se pareceria com as atrizes de Hollywood. A partir de uma pesquisa realizada pela egiptóloga Sally-Ann Ashton, da Universidade de Cambridge, foi possível concluir que a faraó tinha um grande nariz, queixo pontudo, lábios finos, além de que tinha aproximadamente 1,52 m de altura.

Para realizar sua pesquisa, Ashton utilizou moedas e bustos antigos, os quais representavam a rainha sempre com as características anteriormente descritas. Além disso, como era de costume dos egípcios, Cleópatra raspava a cabeça e usava perucas, de modo que a famosa franja da rainha era falsa.

3. A causa da morte

A faraó morreu em 30 a.C., quando cometeu suicídio junto ao marido Marco Antônio, uma vez que foram encurralados pelas forças do Imperador Otávio, em Alexandria. No entanto, por muito tempo a maneira como ela tirou a própria vida foi um grande enigma.

Pintura representando morte de Cleópatra por mordida de cobra - Wikimedia Commons

 

De acordo com a narrativa mais famosa, Cleópatra teria sido picada por uma serpente que ela mesma teria adquirido. No entanto, o mais provável é que ela tenha se espetado com um alfinete que escondia em pente de cabelo, o qual continha um veneno letal. Segundo o historiador Christoph Schäfer, da Universidade de Trier: "Considerando os sintomas, foi uma mistura de acônito, uma planta tóxica, cicuta e ópio."

4. A tumba

Ainda hoje, a localização da tumba da rainha permanece um mistério. No entanto, os egiptólogos possuem algumas hipóteses. O Conselho Supremo de Antiguidades acredita que ela está dentro de um templo em Taposíris Magna, localizada a 30 quilômetros de Alexandria.

Templo de Osíris em Taposiris Magna, no Egito / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em 2009, foram realizadas escavações no local, mas a famosa tumba não foi encontrada. Apenas pequenos artefatos foram revelados, como 200 moedas com o rosto de Cleópatra.

A descoberta de múmias que viveram no mesmo período em que Cleópatra, no entanto, é um fato que anima os pesquisadores. Segundo eles, os corpos podem ajudar a montar uma linha do tempo sobre o ocorrido.

Apesar de nunca ter revelado nenhuma resposta concreta, o local continua sendo o foco dos especialistas. O mistério foi abordado recentemente no documentário de televisão intitulado Cleópatra: Sex, Lies and Secrets (2020). Na produção exibida pelo canal Science Channel, arqueólogos apontam para a possibilidade de que o corpo de Cleópatra e seu amado estejam realmente em Taposiris Magna.

"No Egito, às margens do delta do Nilo, uma enorme escavação arqueológica está em andamento, enquanto especialistas buscam a tumba da faraó mais famosa do Egito [...] Construídos há mais de 2 mil anos, os terrenos de Taposiris Magna estão repletos de passagens e túmulos ocultos”, revelou o Science Channel.


+Saiba mais sobre a última faraó do Egito através de importantes obras

Antônio e Cleópatra: A história dos amantes mais famosos da Antiguidade, Adrian Goldsworthy, 2018 - https://amzn.to/2Bi2zqc

As memórias de Cleópatra: A filha de Ísis, Margaret George, 2002 - https://amzn.to/2Mi3xcl

Cleópatra: A rainha do Egito, Clint Twist, 2013 - https://amzn.to/2OUIoqq

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 
 
Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W