Matérias » Curiosidades

Desenterrada num quintal: o enigma da Ferrari Dino GT

Em 1978, veículo foi encontrado, por acaso. Desde então, ninguém sabe o que aconteceu

Fabio Previdelli Publicado em 19/12/2020, às 07h00

A Dino GT sendo desenterrada
A Dino GT sendo desenterrada - Divulgação

A Ferrari Dino GT é um dos modelos mais icônicos já produzidos pela montadora italiana. Equipado com o, até então, inédito motor V6 de 2,4 litros — antes a marca só utilizava motores V12 em seus cupês —, o veículo era capaz de gerar 195 cavalos de potência.  

No entanto, muito além de seu desempenho e potência, o modelo também chamou atenção por ser alvo de um dos roubos mais enigmáticos e bizarros da história do mundo dos carros: a Dino enterrada.  

O roubo 

A história começa de maneira inusitada em 1978. Na ocasião, duas crianças brincavam em um quintal quando encontraram uma superfície de metal que estava cravada no meio da terra. Curiosas, revelaram a descoberta para um policial que fazia ronda na rua naquele momento.  

A Ferrari sendo desenterrada / Crédito: Divulgação

 

Após cavar com às próprias mãos, o agente percebeu a magnitude da descoberta. Logo imaginou que não seria nada fácil. Assim, decidiu contatar o setor de investigação do Departamento de Polícia de Los Angeles, pedindo ajuda para resgatar o veículo.  

Embaixo da terra, foi revelada uma Ferrari Dino GT 1974, que fora roubada. Fato curioso, que chamou a atenção dos investigadores, é que o veículo estava protegido por cobertores em seu interior e nas saídas de escape — o que impediria que a terra se alojasse no carro e prejudicasse seu funcionamento.

O cenário fez com que acreditassem que quem o enterrou lá tinha a intenção de ressuscitá-lo em algum momento. Desencadeando um enigima. 

Bom, incialmente vale ressaltar que aquele Dino GT foi pintado com a cor verde metálico, uma das mais raras do modelo, o que o tornou praticamente único, facilitando identificação pelas ruas.  

O carro em questão pertencia Rosendo Cruz, que havia o adquirido em setembro de 1974. O roubo aconteceu cerca de três meses depois, quando Cruz e sua esposa foram jantar no Brown Derby, um requintado restaurante comumente visitado por estrelas de Hollywood.  

Na oportunidade, Rosendo decidiu estacionar seu veículo na rua, já que havia estranhado o comportamento do manobrista. Porém, mal sabia que aquela seria a última vez que havia dirigido seu carro. 

A Dino GT coberta de terra / Crédito: DIvulgação

 

Após notar o desaparecimento do veículo, acionou a polícia e registrou o roubo, recebendo, dias depois, cerca de 22.500 dólares de sua seguradora. O caso parecia só mais um roubo comum, até que sua descoberta no ano posterior gerou duas teorias sobre o crime.

Roubo ou encenação? 

Alguns investigadores acreditam que o carro não teria sido roubado e que Cruz teria forjado a situação para receber o dinheiro do seguro. O que corrobora com isso é o fato de que o automóvel não tinha sinais de arrombamento e que seus vidros estavam intactos, o que os levaram a acreditar que os criminosos teriam as chaves do carro.  

Com essa hipótese, os policias especularam que Rosendo havia contratado ladrões para sumir com o veículo, desmontá-lo e enterrá-lo. No entanto, por algum motivo, os bandidos teriam decidido ficar com o veículo e acabaram o enterrando com todos os cuidados necessários. 

Outro ponto curioso é que o emblema que leva o nome do modelo, que fica na parte de trás do carro, havia sido arrancado. Para os policiais, seria uma maneira dos criminosos provarem para o encanador que o serviço havia sido feito.  

Conforme relatado pela Quatro Rodas, a segunda possibilidade é que o veículo tenha sido realmente roubado. O motivo para que o carro não tivesse sinas de arrombamento é que os criminosos seriam exímios profissionais, utilizando os melhores equipamentos disponíveis para tal missão. 

A Dino GT atualmente / Crédito: Divulgação

 

Assim, eles levaram o carro para o sul de Los Angeles, onde o guardaram até encontrarem um possível comprador. No entanto, como o carro era único, a missão não foi nada fácil e, sendo assim, decidiram enterrá-lo para não correrem o risco de alguém  descobrir. 

Caso encontrassem um comprador no mercado alternativo, eles tirariam a Ferrari debaixo da terra. Para provarem que eles realmente estavam vendendo o carro, eles teriam arrancado à placa de identificação do modelo.  

Apesar das duas hipóteses fazerem sentido, nenhuma apresentou provas concretas, fazendo com que o caso permanecesse um mistério até hoje. A única coisa que se sabe, no entanto, é que o veículo foi comprado, em 1978, por Brad Howard, que pagou 8 mil dólares no leilão feito pela seguradora. 

O carro foi restaurado e participa, desde então, de encontros de carros antigos, carregando a placa “Dug up” / Crédito: Divulgação

 

Posteriormente, o carro foi restaurado e participa, desde então, de encontros de carros antigos, carregando a placa “Dug up”, que significa “desenterrado”, em inglês. 


+Saiba mais sobre a Ferrari por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Ferrari: O homem por trás das máquinas: O homem por trás das máquinas, de Brock Yates (2019) - https://amzn.to/3p30THT

Ferrari Formula 1 Car by Car: Every Race Car Since 1950 Capa dura, de Stuart Codling (2021) - https://amzn.to/2J20t5r

The Ferrari book passion for design, de Michel Zumbrunn e outros (2020) - https://amzn.to/2J1OSDj

Paixão por Ferrari. O Segredo de Uma Lenda em 50 Modelos Emblemáticos, de Fabrice Connen (2014) - https://amzn.to/2WuAI0x

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W