Matérias » Personagem

Disfarces, crimes e balas: Laura Bullion, uma das mulheres mais temidas do Velho Oeste

Ao lado do trapaceiro Butch Cassidy, a fora da lei atormentou os Estados Unidos ao roubar bancos e trens

Paola Churchill Publicado em 17/04/2020, às 09h00

Laura Bullion em mugshot
Laura Bullion em mugshot - Wikimedia Commons

O faroeste americano era um lugar perigoso, mas não para Laura Bullion, uma das maiores foras da lei do Velho Oeste. Assim como toda boa história de vilã, suas origens são incertas, algumas histórias dizem que ela nasceu no Arkansas, outras que foi no Texas.

Mas o foco não é sua terra natal, muito menos o dia em que nasceu, mas sim, sua saga nos Estados Unidos como ladra de bancos e trens, entrando nessa vida muito cedo, quando tinha apenas 15 anos, seguindo a mesma carreia que seu pai, o conhecido trapaceiro Willian Carver.

Em 1890, Laura se juntou a gangue de Butch Cassidy, um dos maiores trapaceiros dos Estados Unidos. Os criminosos adoravam a mulher, tanto que apelidaram de “Della Rosa”. E além de encontrar uma nova profissão, Bullion encontrou o amor, quando conheceu Bem Kilpatrick, membro do grupo que além de roubar bancos, tomou o coração da mulher. Mas o foco dela era outro.

Crédito: Wikimedia Commons

 

Laura gostava de cometer seus crimes disfarçada, usava identidades falsas para não ser capturada, no entanto, a principal era Clara Hays. Inclusive, em alguns dos relatórios de suas prisões, consta que sua real profissão era de prostituta, tudo para despistar sua vida de crimes.

Laura não tinha medo, sendo uma das integrantes mais valentes e independente da Wild Bunch. Em alguns assaltos, usava trajes masculinos, primeiro para não ter sua identidade revelada, mas também para que fosse mais respeitada.

A fuga da rosa

Apesar de sua maestria durante os roubos, a rosa selvagem foi presa em novembro de 1901, em St. Louis, no Missouri. Como consequência, foi sentenciada a cinco anos de prisão por participação em um roubo de carga no estado de Montana. Cumpria apenas três anos.  Depois que foi libertada da Penitenciária, localizada em Jefferson City, a criminosa decidiu que queria uma vida nova, que não envolvesse mais delitos.

Assim, se mudou para Memphis, no Tennesse e passou a se chamar Freda Bullion Lincoln, uma pobre viúva de guerra de Maurice Lincoln, mentiu até mesmo sua idade, alegando ser 10 anos mais jovem do que realmente era.

Dizia que o que fez ela se mudar para a pequena cidade era que queria esquecer os fantasmas de seu passado e reescrever sua história, o que em partes, não era mentira. Ela começou trabalhando como empregada doméstica nas casas dos mais ricos, entre seus afazeres, ela limpava, cozinhava e costurava. Na época, também descobriu que era uma exímia costureira e passou a ganhar bem com a profissão.

Laura teve uma vida plena e feliz até 1961, quando morreu após uma parada cardíaca em Shelby County Hospital, localizado em Memphis. Foi nesse momento que descobriram que a simples modista, era uma das mulheres mais temidas do velho oeste americano.

O túmulo da criminosa / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em seu local de descanso final, no cemitério Memorial Park, Memphis, fizeram uma homenagem em sua lápide que está escrito “Freda Bullion Lincoln – Laura Bullion: A espinhosa rosa (1876- 1961)".