Matérias » Brasil

Dom Pedro I e Marquesa de Santos: a relação que abalou o império

O emblemático relacionamento foi regado por cumplicidade, paixão e centenas de cartas de amor picantes

Fabio Previdelli Publicado em 30/03/2020, às 11h52

Dom Pedro I e a marquesa de Santos
Dom Pedro I e a marquesa de Santos - Creative Commons

Durante toda a história, monarquia e relações extraconjugais sempre tiveram um flerte. Um dos casos mais estudados é o de Henrique VIII e suas diversas esposas. Já no Brasil, o caso mais emblemático é de Dom Pedro I e Domitila de Castro Canto e Mello, a Marquesa de Santos.

Antes clandestino, o amor dos dois, ao longo do tempo, foi escancarado a todos, inclusive a Maria Leopoldina de Áustria, mulher do imperador. O primeiro contato amoroso da dupla tem várias versões, uma das mais difundidas é de que Domitila tinha um caso Francisco Gomes da Silva, político e confidente de Pedro I.

Esta versão conta que os dois planejaram um complô para obter certos benefícios, mas isso jamais foi evidenciado. O certo é que o imperador se apaixonou à primeira vista por aquela que futuramente se tornaria Marquesa.

Pintura da Marquesa de Santos / Crédito: Wikimedia Commons

 

O amor fulminante ocorreu muito em conta do espírito livre de Domitila, que tinha uma personalidade completamente diferente de Leopoldina. Mesmo sendo um personagem controverso da história brasileira, a Marquesa sempre se recusou a se sujeitar ao autoritarismo do homem da época.

Ela se casou com apenas 15 anos de idade. Seu marido a agredia e estuprava com certa frequência, o que lhe gerou 3 filhos. Porém, a relação abusiva acabou quando ela sofreu uma tentativa de assassinato. Assim, ela se divorciou e voltou para morar com os pais — comportamento raro para a sociedade da época.

Amor à primeira vista

A relação ente Domitila e Pedro começou em São Paulo, cidade em que ela nasceu, dias antes dele proclamar a Independência do país. Apesar dos dois terem ficado juntos por apenas sete anos, a união durou tempo mais que suficiente para ela gozar de prestígios e conquistar uma considerável fortuna.

Em 1825, a própria Imperatriz Leopoldina designou a amante de seu marido como dama de companhia. Tempo depois, ela foi intitulada viscondessa de Santos. O mais curioso é que Domitila ganhou o título de marquesa de Santos, um ano depois, sem jamais ter pisado na cidade litorânea. No mesmo ano, em 1826, ela foi regalada com uma mansão: a Casa Amarela — onde hoje é o Museu do Primeiro Reinado no Rio de Janeiro.  

Os sete anos da união entre os dois gerou centenas de trocas de cartas de amor e confidências: em muitas delas o imperador desenhava o próprio pênis, sem contar as vezes que ele incluía alguns pelos pubianos como lembrança — o regalo era visto como uma prova de fidelidade.

"Nada mais digo senão que sou teu, e do mesmo modo quer esteja no céu, no inferno ou não sei onde. Tu existes e existirás sempre em minha lembrança, e não passa um momento que meu coração me não doa de saudades tuas...", dizia uma das cartas escritas por Fogo Foguinho — era assim que Pedro I assinava alguns de seus bilhetes.

Outra alcunha do imperador era “Demonão”, que por sua vez chamava a amada de “Titília”. O casal de amantes teve cinco filhos, destes, apenas dois chegaram à fase adulta.

Uma das cartas de D. Pedro I à Marquesa de Santos / Crédito: Domínio Público


Apesar das juras de amor, a marquesa e o imperador também discutiam por cartas. Já conhecida por seu jeito arrojado e valente, ela não se reprimia diante das exigências do monarca.

“Quero que vá para São Paulo”, ordenou Pedro I. “Vou quando eu quiser”, retrucou Titília. “Estou lhe mandando um cavalo”, replicou o irritadiço imperador. “Seu cavalo vai ficar pastando no meu jardim”, desafia a marquesa.

O fim da união

Quando Leopoldina morreu, em 11 de dezembro de 1826, parte da população passou a acusar Domitila de envenenamento. A primeira esposa de Dom Pedro I era admirada por muitos, muito em virtude de seu papel na luta pela Independência.

 A perda fez Pedro I ficar cada vez mais impopular. Pouco depois ele acabou casando com Amélia de Leuchtenberg. Por outro caminho, Domitila deixou o Rio, em junho de 1828, e foi morar no Solar da Marquesa, em São Paulo. Mais tarde, ela rompe a relação alegando que apesar de ainda o amar, amava mais sua própria reputação.


++ Saiba mais sobre a Marquesa de Santos por meio das obras disponíveis na Amazon:

D. Leopoldina: A história não contada: A mulher que arquitetou a independência do Brasil,  Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/2DsrmJt

Domitila: A verdadeira história da marquesa de Santos, Paulo Rezzutti, (2013) - https://amzn.to/2QQWDvM

A biografia íntima de Leopoldina, Marsilio Cassotti (2015) - https://amzn.to/2ZZp8LM

A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos, Mary del Priore (2012) - https://amzn.to/2QScSIY

Titília e o Demonão, a vida amorosa na corte imperial: Mensagens de D. Pedro I à Marquesa de Santos (A história não contada), Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/3005qj3

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du