Matérias » Ciência

Em águas profundas: a 'barata gigante' descoberta em 2020

Conheça a Bathynomus raksasa, uma das maiores espécies de isópodes gigantes

Redação Publicado em 05/12/2021, às 11h00

'Barata gigante' encontrada no mar
'Barata gigante' encontrada no mar - Divulgação / LIPI

Uma equipe de cientistas indonésios anunciou, no mês de julho do ano passado, a descoberta de um curioso animal, que ficou conhecido como a "barata gigante" do mar.

Muito parecido com os indesejados insetos que vemos no ambiente terrestre, a nova espécie, chamada Bathynomus raksasa, é um tipo de isópode gigante que vive em águas profundas.

Uma impressionante descoberta

O crustáceo que, quando adulto, mede em média 33 cm de comprimento, foi encontrado no Estreito de Sunda, que fica entre as ilhas de Java e Sumatra.

Ele também foi localizado no Oceano Índico, em profundidades de 957 m e 1.259 m abaixo do nível do mar, conforme informou a BBC.

O crustáceo foi encontrado no Estreito de Sunda / Crédito: Divulgação / LIPI

 

"Seu tamanho é realmente muito grande e ocupa a segunda maior posição no gênero Bathynomus", declarou a pesquisadora Conni Margaretha Sidabalok, do Instituto de Ciências da Indonésia (LIPI). Segundo a fonte, a maior de todas as sete espécies conhecidas de isópodes supergigantes pode chegar a 50 centímetros.

Para o chefe de zoologia do mesmo instituto, Cahyo Rahmadi, descoberta indica que "grande potencial de biodiversidade da Indonésia ainda não foi revelado".

A pesquisa foi feita a partir de uma colaboração entre o LIPI, a Universidade Nacional de Cingapura e o Museu de História Natural Lee Kong Chian.

O animal recebeu o nome de Bathynomus raksasa / Crédito: Divulgação / LIPI

 

Características

De acordo com os pesquisadores, o Bathynomus possui antenas longas e olhos grandes, importantíssimos para sua locomoção em um habitat escuro, e se alimentam de animais mortos.

O metabolismo desse crustáceo é bastante lento e há relatos de que um espécime do gênero teria sido mantido em cativeiro por cinco anos sem comer, no Japão.

Entre os animais encontrados durante as expedições, estavam um macho e uma fêmea, que mediam 36,3 cm e 29,8 cm, respectivamente.

O gigante foi encontrado no ano de 2020 / Crédito: Divulgação / LIPI

 

Por que tão grandes? 

Segundo o Museu de História Natural de Londres, diferentes teorias explicam o tamanho dos isópodes do mar.

Uma delas afirma que os animais que vivem nas profundezas do oceano precisam carregar mais oxigênio, o que resulta em corpos maiores, com pernas mais compridas.

Outra indica que, como não há muitos predadores no local, o animal pode se desenvolver com segurança.

O Bathynomus tem bem menos carne do que os caranguejos, por exemplo, o que o torna menos procurado por predadores.

Confira o estudo completo por meio deste link.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíves na Amazon:

Zoologia: guias e manuais de identificação, de Vários autores (eBook) (2014) - https://amzn.to/2FMZmVm

Ocean: A Visual Encyclopedia, de DK Publishing (2015) - https://amzn.to/31L941I

Animals: A Visual Encyclopedia, de DK Publishing (2012) - https://amzn.to/33TNk6r

Peixes do Brasil, editado por Heraldo Antonio Britski e José Lima de Figueiredo (2019) - https://amzn.to/3kqqkRG

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W

O sol e o peixe, de Virginia Woolf (2015) - https://amzn.to/3hKdADK