Matérias » Personagem

Fang Fang, a escritora que enfureceu a população chinesa durante a pandemia

Prestigiada por obras ficcionais em seu país-natal, a revelação de casos para outros países no começo da pandemia revoltou nacionalistas

Wallacy Ferrari Publicado em 29/12/2020, às 14h01

Fotografia em plano retrato de Fang Fang
Fotografia em plano retrato de Fang Fang - Divulgação

Durante o início do ano de 2020, os olhos do mundo se viraram para o local que emergia como o epicentro de uma doença desconhecida, mas de graves reações e com altas taxas de transmissão.

O coronavírus que, posteriormente, seria mundialmente conhecido como covid-19 caminhava em passos largos em Wuhan, na China — que teve de intensificar as barreiras para evitar uma tragédia ainda maior.

Em janeiro, o governo chinês impôs o confinamento em massa dos cidadãos locais buscando frear a crise sanitária que, até então, parecia incontrolável.

Por lá, no entanto, vive Fang Fang, uma aclamada escritora de ficção do país e que, aos 64 anos de idade, teria de cessar as atividades cotidianas para evitar o contágio.

Fang já tinha uma carreira consolidada; em 2010, havia vencido o prêmio literário de maior prestígio da China e teve obras traduzidas para diversas línguas.

Contudo, o isolamento social resultou em uma nova ideia por parte da escritora, que decidiu mudar a vertente criativa e começou a escrever crônicas, misturando as sensações da distância com fatos jornalísticos. Dessa maneira, passou a divulgar um diário em suas redes sociais.

Médicos em Wuhan durante internação em março / Crédito: Divulgação / Chutian Metropolis

 

Propagação mundial

A projeção local fez com que os artigos de Fang começassem a viralizar por todo o país — tanto pelas redes sociais locais, quanto por veículos de imprensa alternativa — chegando a ser traduzido por Michael Berry.

Diariamente, os relatos sobre os casos e acasos em Wuhan passaram a alcançar o mundo, se tornando uma fonte de compreensão exterior.

Abordando temas como a injustiça social e política, um dos principais relatos de Fang tratou de externar o caso do médico Li Wenliang, primeiro a iniciar uma corrente em um aplicativo de mensagens informando que havia uma doença potencialmente grave, sendo posteriormente obrigado pelo governo a assinar um termo assumindo que tal fato era mentira e, por fim, falecendo de covid-19.

Tal caso recebeu ampla cobertura internacional, o que acabou resultando em um fenômeno social — inclusive pelo lado negativo que, por via de movimentos ‘cibernacionalistas’, passaram a se revoltar com o fato de Fang propagar os problemas do país internacionalmente.

Além de apoiadores da pátria, a escritora acabou colocando o dedo da ferida do governo, se tornando um obstáculo.

Capas da versão em inglês e em português da compilação de Fang Fang / Crédito: Divulgação/Amazon

 

'Traidora'

Em meio a uma situação de tensão entre a diplomacia chinesa com o presidente americano Donald Trump — que constantemente acusa a China de ser culpada de causar a atual crise sanitária mundial — a descoberta de que a editora estadunidense HarperCollins tinha interesse em traduzir todos os textos diários e compilar em um livro caiu como uma bomba para a imagem da respeitada escritora em seu país-natal.

O argumento de que os fatos noticiados serviam de munição para os contrários ao modelo econômico e político do país movimentou milhares de críticas no Weibo, rede social chinesa semelhante ao Twitter.

Mesmo assim, o lançamento não foi interrompido, sendo publicado em inglês no mês de março e traduzido para o português em julho.

Em sua defesa nas redes sociais, Fang negou qualquer conspiração e fez questão de defender a liberdade do conhecimento: "Se as pessoas com segundas intenções no exterior quiserem usar o livro dessa maneira deliberadamente, o farão de qualquer maneira. Devemos deixar de publicá-lo simplesmente porque alguém quer usá-lo de maneira inadequada?", concluiu.


+Saiba mais sobre pandemias por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Diários de Wuhan: Relatos da cidade em quarentena, por quem esteve na linha de frente, por Fang Fang (2020) - https://amzn.to/3rCc3pj

Inimigo Mortal: Nossa Guerra Contra os Germes Assassinos, de Michael T. Osterholm e Mark Olshaker (2020) - https://amzn.to/2YWUowI

O fim está sempre próximo, de Dan Carlin (2020) - https://amzn.to/2zwBqSS

Doenças que mudaram a história, de Guido Carlos Levi (2018) - https://amzn.to/33woA1R

A grande mortandade, de John Kelly (2011) - https://amzn.to/2vsqnZa

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W