Matérias » Reino Unido

A polêmica ligação do rei Edward VIII da Inglaterra com o Terceiro Reich

Após abdicar ao trono para se casar com uma mulher divorciada, o então Duque de Windsor fez uma viagem de duas semanas para a Alemanha nazista e se encontrou com Adolf Hitler

Daniela Bazi Publicado em 21/06/2020, às 11h00

Wallis Simpson e Edward VIII com Adolf Hitler durante sua viagem a Alemanha
Wallis Simpson e Edward VIII com Adolf Hitler durante sua viagem a Alemanha - Wikimedia Commons

Edward VIII tornou-se rei do Império Britânico após a morte de seu pai, o monarca George V, mas abdicou do trono em 11 de dezembro de 1936 para poder se casar com a socialite americana divorciada Wallis Simpson.

A família real britânica tem suas origens na Alemanha, carregando o sobrenome Saxe-Coburg-Gotha, antes de ser alterado para Windsor durante a Primeira Guerra Mundial. Edward era bem próximo a seus primos alemães e apreciava a cultura do país.

Quando Adolf Hitler subiu ao poder, David, como era chamado por amigos próximos e familiares, foi um dos milhares habitantes da Europa a aplaudir o "milagre econômico" conquistado pelo nazista em uma Alemanha devastada no pós-guerra.

Na mesma época, houve um aumento no apoio a partidos de extrema direita na Grã-Bretanha e uma forte onde de antissemitismo passou a percorrer grupos políticos, o governo britânico e a família real. Edward, inclusive, teria supostamente dito a um parente alemão no ano de 1933 que “Os ditadores são muito populares hoje em dia. Podemos querer um na Inglaterra em breve”.

Edward VIII com membros do partido nazista / Créditos: Getty Images

 

As declarações de David, que na época era o primeiro na linha de sucessão, e o seu apoio a homens que, anos depois, acabaram sendo presos após a Grã-Bretanha declarar guerra a Alemanha, se tornaram altamente perigosos e aumentaram as suspeitas em relação a suas crenças políticas.

O passado romântico de Wallis Simpson, que ainda era apenas sua namorada, também foi motivo para que as especulações aumentassem. A mulher teve um longo relacionamento com o oficial nazista Joseph von Ribbentrop, enquanto o mesmo, em meados da década de 1930, serviu como embaixador alemão na Grã-Bretanha.

Boatos da época dizem que, inclusive, Simpson teria repassado diversos segredos confidenciais relacionados ao governo britânico, que adquiriu em despachos particulares.

Quando Edward subiu ao trono em 1936, toda sua relação com o nazismo veio à tona e o primeiro-ministro Stanley Baldwin, obrigado pela inteligência britânica, o MI-5, com medo de que o fato poderia afetar a segurança nacional, passou a vigiar o casal.

Após a abdicação, o casal foi exilado em Paris, na França / Créditos: Getty Images

 

Entretanto, a Grã-Bretanha não era a única que tinha preocupação com Edward e Wallis. O FBI, serviço de inteligência americano, iniciou, após o começo da guerra, a sua própria investigação sobre o casal, passando a monitorar de perto suas visitas aos Estados Unidos. Diversos memorandos foram enviados para o presidente Franklin Roosevelt, revelando suas inclinações.

Pouco menos de dez meses após abdicar ao trono para poder se casar com sua mulher, o Duque e a Duquesa de Windsor viajaram para a Alemanha por duas semanas, onde David afirmava ser para inspecionar as condições de moradia e trabalho do país, e para apresentar sua esposa a todos.

Ao chegarem ao país, foram recebidos por multidões nas ruas que os cumprimentavam com a saudação nazista, onde o Duque retornou frequentemente. Além disso, a Duquesa foi recebida com reverências e arcos reais, algo que não acontecia na Inglaterra por ter sido negada o título de Sua Alteza Real.

O casal se encontrou com membros do alto escalão nazista, incluindo Hermann Göring, Joseph Goebbels e o próprio Adolf Hitler, que conversou durante horas em particular com Edward. A transcrição datilografada da reunião entre o líder nazista e o ex-rei da Grã-Bretanha foi perdida, onde muitos especulam ter sido destruída pelo Terceiro Reich.

O Duque e a Duquesa de Windsor com Adolf Hitler e outros membros do partido nazista / Créditos: Getty Images

 

Perto do final da Segunda Guerra, um documento conhecido como “Arquivo de Windsor” foi revelado pelo Ministro das Relações Exteriores, que apresentava detalhes sobre a relação alemã com o Duque e a Duquesa de Windsor antes do conflito.

O ex-primeiro-ministro Winston Churchill tentou impedir a divulgação de todos os arquivos ao público, com medo do que eles poderiam causar ao povo e a reputação do Duque pedindo, inclusive, para que só deixassem o público ver em “pelo menos 10 ou 20 anos”.

Publicamente, Edward dizia que Hitler era uma "figura um tanto ridícula, com suas posturas teatrais e suas pretensões bombásticas" mas, particularmente, afirmava que o líder nazista "não era um sujeito tão ruim", colocando a culpa da Segunda Guerra Mundial no governo britânico, nos Estados Unidos e nos judeus.

Edward VIII morreu em 28 de maio de 1972, enquanto estava exilado na França, devido a um câncer de laringe.


+Saiba mais sobre Edward VIII e o nazismo com as obras abaixo:

King Edward VIII (English Edition), Philip Ziegler (2012) - https://amzn.to/39XUw21

The King Who Had To Go: Edward VIII, Mrs Simpson and the Hidden Politics of the Abdication Crisis, Adrian Phillips (2016) - https://amzn.to/35GR60f

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2R9dk5G

Inimigo judeu: Propaganda nazista durante a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto, Jeffrey Herf (2013) - https://amzn.to/39UqagJ

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du