Matérias » Brasil

O espetáculo mais tétrico da Terra: 503 vítimas no pior incêndio do Brasil

Em 17 de dezembro de 1961, a tragédia do Gran Circo causou mais que o dobro de vítimas fatais que os incêndios do Joelma e da boate Kiss

Fabio Marton, Thiago Lincolins e Tatiana Bandeira Publicado em 17/12/2018, às 10h00

Palhaço estava prestes a entrar em cena quando o incêndio começou
Palhaço estava prestes a entrar em cena quando o incêndio começou - Reprodução

Era uma tarde quente em Niterói, 17 de dezembro de 1961. Instalado na Praça do Expedicionário, o Gran Circo Norte-Americano, autoproclamado maior da América Latina, recebia mais de 3 mil visitantes.

No panfleto convocando o respeitável público, anunciaram orgulhosamente terem uma tenda do mais moderno material - nylon. Coberto por parafina para impermeabilizar.

Parafina, a matéria-prima das velas. Muitas seriam acesas por esse deslize. Estava para começar o pior desastre circense de toda a História, em todo o planeta. E o pior incêndio do Brasil, com mais de o dobro das 189 vítimas do Joelma, em 1974, e as 242 da boate Kiss, em 2013.

Vingança

Dois dias antes, uma figura soturna rodeava o circo.

Era Adílson Marcelino Alves, mais conhecido por Dequinha. Fora um dos 50 trabalhadores que o dono, Danilo Stevanovich, havia contratado para realizar a montagem da estrutura. Tinha a ficha suja por furto, aparentava problemas mentais e terminou demitido após apenas dois dias.

Na véspera do incêndio, Dequinha fora agredido por Maciel Felizardo, funcionário do circo, após bater boca com ele, acusando-o de ser responsável por sua demissão. Na fatídica tarde, seu ódio acabou multiplicado ao ser barrado na porta por tentar entrar de graça.

Circo em chamas

O circo havia atingido sua lotação máxima. Três mil pessoas assistiam ao espetáculo. Faltando apenas 20 minutos para o fim, o pânico foi instantâneo: a lona incendiou-se ruidosamente e seus pedaços começaram a cair sobre as pessoas, que se empurraram em desespero, até que algumas delas não pudessem mais respirar no aperto.

Os destroços após o grande incêndio Reprodução

A elefanta saiu em disparada, atropelando quem estivesse no caminho - mas abrindo uma saída, porque não havia nenhum plano de emergência. Em pouco mais de 5 minutos, a lona foi totalmente consumida pelo fogo. De imediato, 372 pessoas jaziam mortas. As outras, num total oficial de 503 vítmas, morreriam depois.

Era homicídio, foi a conclusão da polícia. Após ser barrado na entrada, Dequinha havia reunido dois comparsas – José dos Santos, o "Pardal", e Walter Rosa dos Santos, o "Bigode", – para começar sua vingança. Que era simples: jogaram gasolina na lona e acenderam.

Não exatamente mestres do crime, todos iriam presos antes do final de dezembro. Em outubro de 1962, Dequinha foi condenado a 16 anos de prisão. Terminaria assassinado ao tentar fugir, em 1973 - nunca ficou claro por que e por quem. Bigode foi condenado a 16 anos de prisão e Pardal, a 14 anos.

O então presidente João Goulart imediatamente foi para Niterói acompanhar a situação. Voluntários fizeram fila para doar sangue. O caso causou comoção mundial, com doações vindas dos EUA até o Vaticano.

Uma das vítimas da tragédia Reprodução

O cirurgião Ivo Pintaguy tornou-se uma celebridade então, ao atender dezenas de vítimas e notar que cirurgia plástica não era apenas vaidade. Com as técnicas desenvolvidas por ele, a cirurgia plástica no Brasil muito deveria à tragédia de 1961.

Não fosse a abismal escolha do nylon e parafina, talvez ninguém teria morrido. Mas a polícia, a imprensa e o governo, considerando a origem criminosa, não responsabilizaram Stevanovich. Nisso, o Brasil perdia a chance de aprender uma séria lição - como se veria nos dois outros desastres já citados, causados por negligência no uso de material inflamável em construções.

A história terminaria basicamente apagada. Nada marca o lugar. E há uma clínica militar onde um dia se passou o, de longe, pior incêndio da História do Brasil.


Saiba mais

O espetáculo mais triste da Terra: o incêndio do Gran Circo Norte-Americano, Mauro Ventura, 2011