Matérias » Personagem

Há 29 anos, Manuel Noriega, ditador do Panamá, era preso por ligação com narcotráfico

O déspota panamense passou de informante da CIA a alvo de uma operação militar norte-americana

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 07/07/2021, às 00h00

Fotografia de Noriega durante discurso
Fotografia de Noriega durante discurso - Getty Images

O general Manuel Antonio Noriega foi ditador do Panamá durante seis anos (entre 1983 e 1989) e durante esse período sua relação com o governo dos Estados Unidos passou por uma mudança drástica.

De valioso aliado da CIA, a agência de inteligência norte-americana, ele terminou seu mandato como inimigo, o que culminou em sua captura em 1990 e prisão em 1992. 

Antes disso, a vida de Noriega havia tido uma trajetória predominantemente ascendente: ele viera de uma família pobre, mas reverteu sua situação ao escalar a hierarquia das forças armadas panamenhas. As informações foram repercutidas por uma matéria do G1 publicada em 2011. 

Fotografia de Noriega tirada na prisão estadunidense / Crédito: Wikimedia Commons/ U.S. Marshals Service

 

O oficial tornou-se também braço direito de Omar Torrijos, que governou o Panamá entre 1968 e 1981, período durante o qual Manuel pôde cumprir a função de chefe da inteligência militar. Após a morte deste, foi enfim capaz de assumir o poder como sucessor natural de Omar.

Espião da CIA 

Foi durante os anos 50 que o general Noriega estabeleceu sua relação com a CIA, vendendo informações a respeito do que ocorria no governo panamenho e ajudando os Estados Unidos a alcançar seus interesses de geopolítica através de seu apoio internacional. 

Segundo divulgado por uma matéria de 2017 do El País, Bill Casey, que foi diretor da agência de inteligência por algum tempo, disse “Este é meu garoto” ao se referir ao tirano durante o período de sua prisão.  

O grande ponto de virada dessa relação próxima ocorreu devido ao envolvimento do militar com o narcotráfico na América Latina - que foi de onde veio uma parte considerável de sua fortuna, inclusive. 

Inimigo dos Estados Unidos 

Na reta final de seu mandato, a reputação do tirano não tinha apenas azedado aos olhos de seus antigos aliados norte-americanos, mas também da população do Panamá, uma vez que o país entrou em uma crise econômica e política.

Aqueles que tentaram se opor ao líder foram reprimidos e, nos piores casos, até mesmo assassinados - como Hugo Spadafora.

Eventualmente o presidente George Bush iniciou a operação militar “Justa Causa”, que invadiu o Panamá com o objetivo de capturar o déspota. Noriega se entregou para as tropas norte-americanas em 1990, e em 1992 seu julgamento foi finalizado. 

Fotografia de Noriega sendo escoltado por agentes norte-americanos em 1990 / Crédito: Wikimedia Commons/ United States Air Force

 

Já em território norte-americano, o ditador foi acusado de tráfico de drogas, extorsão e lavagem de dinheiro, recebendo uma sentença de 40 anos. Apesar de seu poder e influência não terem-no impedido de se tornar um prisioneiro, vale destacar que o panamenho desfrutava de  privilégios que não eram compartilhados por outros detentos, como a presença de uma televisão dentro de sua cela.

Sua pena original foi posteriormente reduzida entre suas extradições para outras penitenciárias (ele foi enviado para a França e enfim devolvido ao Panamá), por motivo de bom comportamento, entre outros fatores, porém isso não fez muita diferença na prática: Noriega morreu em 2017, então com 83 anos, antes de ser capaz de cumpri-la. Segundo a reportagem do El País que relembrou sua trajetória, ele faleceu por conta de um tumor no cérebro. 


+Saiba mais sobre o Panamá através das seguintes obras:

1. Panama Fever: The Epic Story of the Building of the Panama Canal, de Matthew Parker - https://amzn.to/2sIXlmC

2. The Path Between the Seas: The Creation of the Panama Canal, 1870-1914, de David McCullough - https://amzn.to/35eYn7m

3. Sociedades peligrosas. La historia detrás de los Panama Papers: La historia detrás de los Panamá Papers, de Rita Vasquez e J. Scott Bronstein - https://amzn.to/2ZJImF4

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.