Matérias » Segunda Guerra

Os campos de concentração para nipo-americanos: O horror que os EUA tentam esconder

Depois de Pearl Harbor, imigrantes japoneses e cidadãos de descendência japonesa eram mantidos em centros de internação por serem considerados espiões

Isabela Barreiros Publicado em 13/01/2020, às 07h00

Prisioneiros com a bandeira dos EUA
Prisioneiros com a bandeira dos EUA - Wikimedia Commons

Após o ataque japonês à base americana de Pearl Harbor em 1941, por ordem do presidente democrata Franklin Roosevelt, foram construídos campos de concentração para prender e confinar aqueles que fossem considerados inimigos estrangeiros pelo governo estadunidense.

Na prática, os acusados de práticas de espionagem e colaboração com o inimigo eram os imigrantes japoneses e cidadãos nipo-americanos. Teorias e boatos contra essa população fizeram com que aproximadamente 120 mil pessoas fossem presas.

Cartazes davam instruções a imigrantes japoneses e nipo-americanos em São Francisco / Crédito: Wikimedia Commons

 

Como o número de imigrantes na costa Oeste dos Estados Unidos aumentava, a xonofobia contra japoneses também se intensificava. Aliando a histeria da guerra e o conspiracionismo que rondava o imaginário norte-americano da época ao crescente preconceito, temos a criação dos campos de internamento.

Havia dez desses recintos espalhados pelo país. Em sua maioria, os detidos passavam aproximadamente três anos atrás de muros protegidos.

Pessoas detidas formando filas para entrar em um campo de concentração / Crédito: Wikimedia Commons

 

O terror desse episódio é quase que inteiramente escondido da história dos Estados Unidos. Muitas pessoas abandonaram seus empregos e foram aprisionadas nos estados da Califórnia, Idaho, Wyoming, Utah, Arizona, Arkansas e Colorado.

Uma nipo-americana que foi encarcerada aos 7 anos com sua família em um campo de concentração, informou que eles não eram torturados enquanto presos, mas que sofriam constantes ameaças se chegassem minimamente perto das cercas de arame farpado.

Esse episódio, no entanto, não é exceção na história estadunidense. Atualmente, os campos de concentração ganharam outro nome: centros de detenção para imigrantes ilegais.  

A realidade nos centros de detenção para imigrantes ilegais nos Estados Unidos / Crédito: Divulgação

 

De maioria asiática e latina, essas pessoas são presas em todo país e sofrem com terríveis condições de higiene, alimentação e habitação. Segundo o Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (DHS), há superlotação nos ambientes, falta de alimentos quentes e crianças com menos de 7 anos são mantidas longe de seus parentes por até 2 semanas. Além disso, já foram constatados casos de morte por negligência. 

Hoje, portanto, o cenário não mudou muito para quem é imigrante ou filho de imigrantes que, simplesmente, decidiu estar no país da liberdade.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo

1. O Afeganistão depois do Talibã: Onze histórias afegãs do 11 de Setembro e a década do terror, de Adriana Carranca (2011) - https://amzn.to/2ZStTqG

2. O mundo de Aisha: A revolução silenciosa das mulheres no Iêmen, de Ugo Bertotti (2015) - https://amzn.to/35sHO7R

3. Iraque: Plano de Guerra, de Milan Rai e Noam Chomsky (2003) - https://amzn.to/37DA5Fy

4. A História da Guerra do Vietnã, de Andrew Wiest e Chris McNab (2016) - https://amzn.to/35yMvxf

5. O Diário de Myriam: A guerra da Síria vista pelos olhos de uma menina, de Phillip Lobjois (2018) - https://amzn.to/2SYfMyI

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.