Matérias » Alemanha Nazista

Os horrores de Bullenhuser Damm, a escola que foi usada pelo Terceiro Reich para experimentos com crianças

Hoje, há 75 anos, vinte crianças judias usadas num experimento sobre tuberculose eram assassinadas para que a SS encobrisse seus crimes de guerra

André Nogueira Publicado em 20/04/2020, às 07h39

Fachada da escola nos dias atuais
Fachada da escola nos dias atuais - Wikimedia Commons

A Bullenhuser Damm foi uma escola de Hamburgo, na Alemanha, que foi usada pelos nazistas no final da guerra como campo de prisioneiros e espaço de atrozes experimentos em crianças estrangeiras, sob administração da SS e de nome Neuengamme. Lá, 20 jovens judeus foram usados como cobaias e muitos outros simplesmente assassinados naquele local.

Essas atrocidades foram a forma como o médico Kurt Heissmeyer achou de realizar os experimentos necessários para provar suas teses sobre a tuberculose e entrar na academia. Ele queria estipular que a injeção de bacilos da doença em corpos saudáveis agiria como uma vacina, partindo do pressuposto que raças inferiores mudariam os fatores de desenvolvimento do patógeno.

Então, ele usou crianças prisioneiras como pacientes, injetando a doença no sangue ou diretamente nos pulmões dos jovens, muitos deles soviéticos. Na fase inicial da pesquisa, focou-se no uso de crianças eslavas, mas logo o nazista desejou “compreender” a ação da tuberculose em judeus. Então, Josef Mengele escolheu 10 meninos e 10 meninas do campo de Auschwitz e mandou para Neuengamme.

Sergio, uma das crianças assassinadas no local / Crédito: Wikimedia Commons

 

Acompanhadas por três enfermeiras, uma médica (as quatro prisioneiras do campo) e um guarda da SS, as crianças chegaram a Hamburgo via trem. Diziam se tratar de infectados da febre tifoide, para afastar olhares curiosos. Curioso é o fato de que, na viagem, essas crianças foram muito bem tratadas: receberam leite, chocolate e alimentos, e lhes era prometido que estariam indo ver as próprias mães.

Todas elas foram infectadas com os bacilos em pouco tempo, e então tiveram seus linfonodos (células de defesa auxiliar nas axilas) removidos por cirurgia. Rapidamente, elas ficaram doentes e foram levadas ao Hospital Hohenlychen para estudo. Porém, o avanço dos Aliados no front ocidental levou Berlim a comandar a execução de todas as cobaias, apara que encobrissem os crimes cometidos naquele campo. No dia 20 de abril de 1945, as 20 crianças foram assassinadas.

Naquela macabra noite, 20 crianças e 30 prisioneiros soviéticos foram enforcados num porão naquela escola. Alguns tentaram escapar, levando tiros que os impediram. Logo antes, de acordo com um relato de oficial da SS, aqueles jovens "sentaram-se nos bancos ao redor e ficaram alegres e felizes por terem sido autorizadas a sair de Neuengamme. As crianças eram completamente inocentes".


+Saiba mais sobre o Holocausto por meio das obras disponíveis na Amazon

Os bebês de Auschwitz, Wendy Holden, 2015 - https://amzn.to/32b3ELn

O tatuador de Auschwitz, Heather Morris, 2019 - https://amzn.to/2r5oA9Z

Depois de Auschwitz, Eva Schloss - https://amzn.to/2PHpG5Z

O garoto que seguiu o pai para Auschwitz: Uma história real, Jeremy Dronfield, 2019 - https://amzn.to/2NC1MpM

Resistência, Affinity Konar, 2017 - https://amzn.to/2Nw8C0e

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du