Matérias » Religião

O padre que cometeu suicídio após falsas acusações de abuso infantil

Alan Griffin foi investigado por um ano, mas a Igreja Católica afirma, agora, que o processo não tinha fundamento

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 26/08/2021, às 14h55

Imagem meramente ilustrativa de bíblia
Imagem meramente ilustrativa de bíblia - Pixabay/stempow

Acusações e investigações infundadas podem acabar com a vida de alguém. Foi exatamente isso que aconteceu no ano passado, quando um padre foi falsamente incriminado por abuso sexual infantil na Inglaterra.

O padre anglicano Alan Griffin, de 78 anos, passou o ano de 2020 inteiro sendo investigado sob alegação de ter explorado crianças sexualmente, mas os detalhes do processo nunca haviam sido passados para ele durante a ação.

Em julho deste ano, a legista Mary Hassell foi responsável por emitir um relatório em Prevenção de Mortes no Futuro sobre a morte do religioso que aconteceu em novembro do ano passado, enquanto as investigações ainda estavam acontecendo. 

Como informou a BBC News, Griffin foi à óbito no dia 8 de novembro de 2020 em sua casa, localizada no bairro de Wapping, leste de Londres, na Inglaterra. 

Segundo consta no documento, o clérigo "se matou porque não pôde lidar com uma investigação" cujas alegações "não foram apoiadas por nenhum reclamante, nenhuma testemunha e nenhum acusador".

Hassell afirmou em seu relatório: “O padre Griffin não abusava de crianças. Ele não fazia sexo com jovens menores de 18 anos. Ele não visitava prostitutas. Ele não colocava em risco a vida de outras pessoas ao fazer sexo com outras pessoas enquanto corria o risco de HIV". 

“E não havia nenhuma evidência de que ele fez alguma dessas coisas. Ele era um padre gay HIV positivo (carga viral indetectável)”, completou a legista.

O relatório crítico fez com que a Diocese de Londres, o Palácio de Lambeth e a sede do arcebispo de Canterbury desenvolvessem uma resposta, apresentando um parecer do caso ao público e “lamentando” a morte do padre.

O padre Alan Griffin na igreja St Mary's em Londres em 2012 / Crédito: Divulgação/Amigos Ordinariato de Nossa Senhora de Walsingham

 

A resposta foi publicada no site da Diocese de Londres na última segunda-feira, 24, e, nela, consta a confissão da Igreja da Inglaterra dos erros cometidos pelos religiosos durante a investigação, que contou com alegações infundadas contra Griffin e levou ao seu suicídio.

“Assumimos a responsabilidade pelo que deu errado”, admitiu a Igreja da Inglaterra. "Reconhecemos que houve processos ou sistemas deficientes, ou erros, que levaram a pressões irracionais sobre o padre Alan". 

Segundo o The Guardian, a Diocese de Londres afirmou que está fazendo uma retificação das “lições aprendidas” com o objetivo de “fazer recomendações sobre o que poderia ser feito melhor na Igreja da Inglaterra para ajudar a prevenir que mortes como essa aconteçam novamente”.

As autoridades religiosas ainda completaram: “A forma como a informação foi documentada e passada à Igreja Católica Romana é motivo de profundo pesar para a diocese de Londres.”

"É uma questão de grande pesar que, mesmo após a morte do padre Griffin, tenha havido uma série de oportunidades perdidas para rever o que aprendeu com o tratamento deste caso antes do inquérito", finalizaram.


+ Saiba mais sobre a Igreja através das obras abaixo disponíveis na Amazon:

Como A Igreja Católica Construiu A Civilização Ocidental, de Thomas E. Woods Jr (2017) - https://amzn.to/2ya3872

As grandes mentiras sobre a igreja católica, de Alexandre Varela e Viviane Varela (2016) - https://amzn.to/3aVN07T

Cartas à igreja, de Francis Chan (2019) - https://amzn.to/3b1iBFk

Box Heróis da Igreja, de Al Truesdale (2020) - https://amzn.to/3cdOQ4l

Dois Papas, de Anthony McCarten (2019) - https://amzn.to/38kjgAk

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W