Matérias » Egito Antigo

Mortos famintos no Egito: Cortejos fúnebres com barrigas cheias

No Egito, o funeral dos ricos era seguido de cortejos com comida

Flávia Pinho Publicado em 27/05/2019, às 09h00

Livro dos Mortos
Livro dos Mortos - Wikimedia commons

Comer era um assunto tão sério no Egito antigo que os mais ricos passavam boa parte da vida garantindo que pudessem oferecer banquetes fartos até mesmo após a morte. Assim que eles faleciam, era realizada a mumificação, um processo caro e que podia demorar até 70 dias.

Segundo a tradição, o ato de mumificação seria responsabilidade do deus do inframundo, o homem-chacal Anúbis. Ele faria os procedimentos para a conservação do corpo do morto e os preparos para a vida eterna do sepultado.

Anúbis testa os valores do morto, pesando seu coração / Crédito: Reprodução

 

Depois acontecia o funeral solene. A partir de então, as famílias passavam a fazer oferendas diárias de alimentos - dependendo da importância do defunto, o desfile gastronômico-funerário podia até ser equipado com cervejarias e padarias, para facilitar o serviço dos parentes.

A melhor parte do ritual, relatado no livro História da Cozinha Faraônica, do egiptólogo francês Pierre Tallet (Senac-SP), é que os produtos não eram largados lá, apodrecendo.

Pelo contrário, os funcionários do templo podiam comê-los depois. A regalia era encarada como remuneração pelos serviços prestados à família.