Matérias » Estados Unidos

Pizzagate: a mentira que influenciou a última eleição presidencial dos EUA — e quase terminou em tragédia

Fake News ligava uma rede de pizzaria a um suposto esquema de exploração infantil de Hillary Clinton

Fabio Previdelli Publicado em 08/10/2020, às 18h19

Imagem meramente ilustrativa de um pedaço de pizza
Imagem meramente ilustrativa de um pedaço de pizza - Pixabay

Em março de 2016, o Wikileaks — famoso site por vazar documentos sigilosos do governo norte-americano —, divulgou alguns e-mails do gerente da campanha de Hillary Clinton, John Podesta. Na ocasião, Hillary concorria com Donald Trump nas eleições americanas. Em um dos e-mails, segundo o The New York Times, Podesta conversa com James Alefantis, dono da pizzaria DC Comet Ping Pong, sobre uma possível arrecadação de fundos para a campanha de Clinton.

Em um primeiro momento, nada de errado foi notado nas mensagens, mas, tempos depois, usuários do Reddit e do 4Chan começaram a especular que os correios eletrônicos se tratavam de mensagens secretas sobre a ligação entre o Cometa Ping Pong e o Partido Democrata em uma rede de pedofilia e tráfico sexual de menores, que teria a pizzaria como sede e Clinton e Podesta como líderes.

Codimes e o esquema de tráfico de menores

Para eles, tudo estava claro, o termo “cheese pizza” (ou pizza de queijo, em tradução livre) era um codinome para “child pornography” (pornografia infantil), devido a coincidência entre as inicias dos dois jogos de palavras.

Hillary Clinton durante campanha presidencial / Crédito: Wikimedia Commons

 

Além do mais, os conspiracionistas diziam que quando a palavra pizza era usada sozinha em uma frase, ela se referia a meninas; já os meninos eram substituídos pelo código hot-dog. A palavra sauce (molho), seria um meio usado para substituir a palavra orgia.

Com todas essas “pistas” na mesa, cada vez mais e mais usuários passaram a acreditar que os abusos se passavam nos porões da pizzaria Comet Ping Pong em Washington. Afinal, Tony Podesta, irmão de John e importante lobista da capital, era frequentador assíduo do local e também o responsável por apresentar o dono do restaurante, James Alefantis, ao alto escalão dos Democratas.

Os e-mails mostram que John Podesta e Alefantis planejavam, há tempos, um jantar para arrecadar investimentos para a campanha de Hillary naquele ano.

Evidências ficam mais claras

Tudo isso era calcado por inúmeras referências ocultas, mas que eram muito claras para quem já estava convencido do esquema: primeiro, as paredes do Comet Ping Pong eram pintadas por Arrington de Dionysio, artista plástico que comumente pinta pessoas nuas, cenas de sexo e violência.

Segundo ponto, o cardápio do local teria um símbolo praticamente idêntico com aqueles usados por pedófilos que querem demonstrar suas preferencias sexuais em redes obscuras da internet como a Deep Web.

Michael Flynn chegou a tuitar sobre o caso Pizzagate / Crédito: Divulgação/ YouTube/ CBS Evening News

 

Como se isso já não bastasse, Alefantis tinha um conteúdo bastante controverso em seu Instagram, como diversas fotos de crianças em situações incomuns e em uma publicação onde ele aparece com uma camiseta com os dizeres: “J’ <3 L’Enfantes (“Amo as crianças”, em francês).

A partir daí, diversos site como Planet Free Will e The Vigilant Citizen começaram a dar voz para essa teoria — que se tornavam cada vez mais populares com o impulso das redes sociais. A publicação chegou até Michael Flynn, general reformado indicado a conselheiro de segurança nacional do presidente Donald Trump, que usou seu Twitter para divulgar as atrocidades que aconteciam na pizzaria.

Tragédia — quase fatal — anunciada

O caso atingiu seu ápice em 4 de dezembro de 2016, quando Edgar Welch entrou armado no Comet Ping Pong disposto a investigar por conta própria a suposta rede sexual de menores que era bancada pelo restaurante.

Welch chegou a disparar três vezes, mas, por sorte, ninguém foi atingido. Imobilizado por policiais, seu maior choque foi chegar a prisão percebendo que não havia nada de errado com o estabelecimento.

Edgar Welch entrou armado em um Comet Ping Pong e acabou sendo preso / Crédito: Divulgação/ YouTube/ CBS Evening News

 

Antes disso, o Distrito da Colúmbia chegou a investigar as acusações, mas nenhuma evidência foi encontrada. Já o FBI sequer chegou a se mobilizar por falta de provas contundentes. Um repórter do The New York Times também visitou o local, constatando que não havia nenhuma irregularidade por lá.

Posteriormente, foi descoberto que a Teoria foi impulsionada por sites de extrema-direita defensores de Donald Trump, que eram capazes de tudo para difamar a candidata que concorria contra o Republicano.

Michael Flynn apagou todos os Tweets em que falava sobre o caso Pizzagate. Já seu filho acabou insistindo em sua verocidade e acabou sendo demitido da equipe de transição do governo de Trump.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Pós-verdade e Fake News: Reflexões Sobre a Guerra de Narrativas, de Vários Autores (2019) - https://amzn.to/3cxHCYq

Fake News - Quando os Jornais Fingem Fazer Jornalismo, de Cristian Derosa (2019) - https://amzn.to/2zYjBwB

Fake News. A Conexão Entre a Desinformação e o Direito, de Diogo Rais (2018) - https://amzn.to/2Bz2tOB

A Morte da Verdade. Notas Sobre a Mentira na Era Trump, de Michiko Kakutani (2018) - https://amzn.to/2Y2ug18

Fake News e Regulação, de Georges Abboud, Nelson Nery Jr. e Ricardo Campos (2018) - https://amzn.to/3drqKnA

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W