Matérias » Política

Presidente durante 45 minutos: Há 107 anos, Lascuráin Paredes assumia o cargo máximo do México

Paredes assumiu o cargo às 17h15, sem pretensão de se manter, e renunciou às 18h00

Wallacy Ferrari Publicado em 19/02/2020, às 11h39

Lascuráin Paredes em foto oficial
Lascuráin Paredes em foto oficial - Wikimedia Commons

Entre às 17h15 e 18h de 19 de fevereiro de 1913, o México passou a ser governado por Pedro José Domingo da Calzada Manuel María Lascuráin Paredes ou simplesmente Lascuráin Paredes. Os 45 minutos de governo foram suficientes para Lascuráin articular um golpe em parceria com a Embaixada dos Estados Unidos.

Nos dias anteriores ao mandato, o então presidente Francisco I. Madero e seu vice José Maria Pino Suárez foram presos no Palácio Nacional a mando do general Victoriano Huerta, então líder das Forças Armadas Mexicanas, e forçados a assinarem suas renúncias. O general ordenou também o assassinato do irmão do presidente, Gustavo Madero, para pressioná-lo.

Assim que confirmada a renúncia, a Constituição mexicana previa que o Secretário das Relações Exteriores seria o primeiro na hierarquia do governo a assumir o posto da presidência. O então ministro Lascuráin Paredes assumiu o cargo máximo na política do país, sem ter planejado nenhum projeto, plano e, muito menos, sua permanência no cargo.

Lascuráin não instaurou medidas provisórias, nem discursou ou decretou algum posicionamento em seus 45 minutos de presidência. Orientado pelas Forças Armadas, nomeou o general Huerta como Secretário do Interior, visto que, na ausência do Secretário das Relações Exteriores, este seria o quarto cargo a assumir a presidência na sequencia proposta pela Constituição.

Após nomear, aguardou Huerta se apresentar na residência presidencial. Protestou a favor dos militares e não teve interesse em fazer algum pronunciamento ou segurar o cargo. Com a chegada do general, renunciou ao cargo e entrou para a história como o presidente mexicano com menos tempo no cargo.

Curiosamente, Lascuráin era neto de Mariano Paredes y Arrillaga, que foi eleito presidente do México em janeiro de 1846, mas que também não teve um longo mandato; Mariano ficou no cargo até julho do mesmo ano, quando renunciou por pressão das tropas mexicanas em relação à participação da colônia espanhola no país e reassumiu o comando do Exército.


+Saiba mais sobre o assunto nos links abaixo:

Quién mató a Madero: Reconstrucción de un drama histórico, de José Antonio Martínez Álvarez (2017) - https://amzn.to/3bTaGKQ

Decenas Trágicas, de Serner Mexica (2019) -  https://amzn.to/39OeM5o

Cada quien morirá por su lado. Una historia militar de la Decena Trágica, de Adolfo Gilly (2013) - https://amzn.to/3bQAc3z

La Imagen Cruenta , de Vários Autores (2017) - https://amzn.to/39JN1Ld

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.