Matérias » Revolução Francesa

Há exatos 232 anos, acontecia a Queda da Bastilha

Símbolo da Revolução Francesa, a tomada da fortaleza militar foi responsável por libertar prisioneiros

Maria Carolina Cristianini Publicado em 14/07/2019, às 10h00 - Atualizado às 00h00

Pintura da Queda da Bastilha, por Jean-Pierre Houël (1735-1813)
Pintura da Queda da Bastilha, por Jean-Pierre Houël (1735-1813) - Bibliothèque nationale de France / Domínio Público, via Wikimedia Commons

Ocorrida no dia 14 de julho de 1789, a Queda da Bastilha é considerada um dos principais eventos da Revolução Francesa. Símbolo da queda da monarquia, o episódio marvou a história do país e, ainda hoje, é amplamente lembrado. 

Na época, a Tomada de Bastilha foi gerou uma onda de reações pela França, estendendo-se para o restante da Europa. Atualmente, a data é conhecida formalmente como Festa da Federação, sendo celebrada como feriado nacional.

Contexto histórico

Erguida em 1370, a Bastilha era uma fortaleza militar. No século 17, o local se firmou como cadeia. "Suas masmorras recebiam prisioneiros do rei", diz o historiador André Joanilho, da Universidade Estadual de Londrina. Assim ficou até 1789, ano em que a França beirava o caos.

Enquanto a desigualdade imperava, o governo esbanjava nos gastos e deixava 25 milhões de pessoas insatisfeitas. Sob pressão, o reiLuís XVI (1754-1793) reuniu em maio os Estados Gerais a fim de buscar saídas para o colapso financeiro.

Luís XVI (1754-1793) / Crédito: Antoine-François Callet (1741-1823) / Domínio Público, via Wikimedia Commons

 

Percebendo que os privilégios seriam mantidos, a burguesia fundou sua própria Assembleia Nacional. Mas boatos de que o rei pretendia dissolvê-la geraram uma onda de saques, que culminaram na tomada da fortificação.

Características da Bastilha 

Feita de pedra, a Bastilha tinha oito torres e paredes de 2,75 metros de espessura. Para entrar, era preciso vencer duas pontes-levadiças, pois ao redor do castelo havia um fosso de mais de 25 metros de largura, por onde passava água do rio Sena.

Por ano, a fortaleza recebia em média 40 presos. No dia da tomada, havia sete: um nobre, dois loucos e quatro falsários. Também estavam lá 82 suboficiais, o diretor do local, o marquês de Launay, e 32 guardas suíços. Para a defesa, eles contavam com 15 canhões e 12 fuzis.

Pintura da Queda da Bastilha / Crédito: Museu da Revolução Francesa, via Wikimedia Commons

 

Além disso, pessoas sem julgamento nem sentença eram enviadas para o insólito local, à mando do rei. O tratamento aos presos era imprevisível: existem relatos de celas onde só se ficava em pé, mas também de quartos com camas e cadeiras. Um dos detidos, o marquês de Sade (1740-1814), tinha esses privilégios.

Os detalhes da Queda da Bastilha 

Em 12 de julho de 1789, o diretor das finanças real foi demitido. Em reação, 50 mil homens roubaram armas pela cidade. Em 14 de julho, marceneiros, sapateiros e alfaiates foram até Bastilha atrás de munição. Às 10h30, começaram a negociar com o diretor, o marquês Launay, que teria convidado os líderes para almoçar.

Por outro lado, ao longo do dia, o povo começou a se agitar. Alguns, mais exaltados, cortaram a golpes de machado as correntes das portas exteriores. Ninguém sabia de onde veio o primeiro tiro, mas ele foi o estopim do conflito armado ocorrido entre a população e os soldados da fortaleza.

Às 17h, o diretor se rendeu e a segunda ponte-levadiça foi baixada. Liderado por 800 manifestantes, o povo invadiu o castelo, pegou a munição e libertou os prisioneiros. Launay, por sua vez, foi decapitado e sua cabeça desfilou pelas ruas francesas na ponta de uma lança. No total, estima-se que morreram cerca de 100 populares e um guarda.


+Saiba mais sobre a Revolução Francesa por meio de obra disponíveis na Amazon:

A Revolução Francesa 1789-1799, de Michel Vovelle (2019) - https://amzn.to/3f21cyE

Reflexões Sobre a Revolução na França, de Edmund Burke (2017) - https://amzn.to/2zAxy37

1789: O surgimento da Revolução Francesa, de Georges Lefebvre (2019) - https://amzn.to/3bOr7I6

Revolução francesa, de Max Gallo (2012) - https://amzn.to/2zFTWIA

A Revolução Francesa explicada à minha neta, de Michel Vovelle (2007) - https://amzn.to/3f4aj1F

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W