Matérias » Comunismo

Stalin “com pinta de malandro”: o retrato de Picasso do tirano soviético

Logo após a morte do líder comunista, o pintor foi convidado para fazer um retrato homenageando-o; o resultado, porém, contrariou o Partido Comunista da França

Isabela Barreiros Publicado em 01/03/2020, às 08h00

Picasso observando retrato de Stalin
Picasso observando retrato de Stalin - Domínio Público

Dez dias depois da morte de Stalin, em 15 de março de 1953, o artista espanhol Pablo Picasso teve seu retrato do governante soviético exposto na capa do jornal Les Lettres Françaises. Com traços marcantes de seu estilo próprio, o desenho, porém, recebeu críticas e foi considerado uma blasfêmia pelo Partido Comunista da França (PCF).

“Pelo retrato de Stalin assinado por Picasso pode se imaginar um arruaceiro com pinta de malandro”, detalhou o jornalista do El País Feliciano Fidalgo em 1983. Com essa descrição, é possível perceber porque os comunistas ficaram indignados com a representação de Picasso.

Um enorme bigode já era característico de Stalin, mas seus olhos esbugalhados e cabelo bizarro foram duramente criticados. De acordo com o biógrafo de Picasso Rafael Inglada, a arte foi uma afronta ao governo da União Soviética.

O retrato de Stalin feito por Picasso / Crédito: Domínio Público

 

“O retrato de Stálin que Picasso fez após a morte do ditador soviético foi, penso eu, uma resposta às exigências do que deveria ser arte para uma potência como a Rússia. Foi o biógrafo e amigo de Picasso, Pierre Daix, que enviou um telegrama ao artista, em nome de Louis Aragon, para que participasse com um desenho da edição especial que seria dedicada ao falecido líder soviético na Les Lettres Françaises”, explica Inglada.

Apenas três dias depois, o PCF divulgou uma nota demonstrando sua insatisfação, alegando que “o secretariado do PCF desaprova categoricamente a publicação do retrato do grande Stalin”.

Além disso, também consideraram o retrato uma “caricatura insultante e vulgar do grande guia dos povos”, acusando Picasso de “blasfêmia” e exigindo que todos os exemplares fossem destruídos para preservar a honra do comunista.

O artista havia feito a obra utilizando apenas carvão, utilizando uma fotografia de 1903 de  Stalin como referência. Ele queria representa-lo ainda jovem, antes da ascensão ao poder na União Soviética. O desenho foi feito no dia 8 de março, indo para a edição do jornal que foi lançado apenas quatro dias depois.

Capa do jornal Les Lettres Françaises / Crédito: Domínio Público

 

Inglada ainda narra que a obra foi feita quando o Picasso estava na casa da pintora francesa Françoise Gilot. Diz também que os dois riram muito do resultado, tanto que ele ficou com soluço ao final do episódio.

Poucos dias depois, o L’Humanité divulgou uma nota desaprovando o retrato. “Sem questionar a integridade do grande artista, cujo compromisso com a causa da classe operária é conhecido por todos, o secretário do Partido Comunista Francês lamenta que o camarada Aragon, membro do Comitê Central e diretor da Les Lettres Françaises, que, por sua vez, conduz uma luta corajosa para o desenvolvimento da arte realista, tenha permitido a sua publicação”, escreveram.


+ Saiba mais sobre a União Soviética e Stalin através das obras abaixo
 
O último império: Os últimos dias da União Soviética, Serhii Plokhy (e-book) - https://amzn.to/2pRjTjz
 
História da União Soviética, Peter Kenez (2007) - https://amzn.to/2N6dpoE
 
Barbarossa. A Invasão da União Soviética Pela Alemanha Nazista em 1941, Will Fowler (2015) - https://amzn.to/2pVvlud
 
Stálin: Paradoxos do poder 1878-1928, Stephen Kotkin (e-book)  - https://amzn.to/2NbLcNw
 
Stálin: Nova biografia de um ditador, Oleg V. Khlevniuk (2017) - https://amzn.to/2BG8LbF
 
Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.