Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Envenenamento

Suspeita da morte de mãe e filho em Goiás é identificada

Leonardo Pereira Alves, 58 anos, e sua mãe, Luzia Tereza Alves, 86 anos, morreram por envenenamento entre domingo e segunda-feira

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 21/12/2023, às 08h53

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Leonardo Pereira Alves e sua mãe, Luzia Tereza Alves - Divulgação / Redes sociais
Leonardo Pereira Alves e sua mãe, Luzia Tereza Alves - Divulgação / Redes sociais

Nesta quarta-feira, 20, uma mulher foi detida sob suspeita de envenenarLeonardo Pereira Alves, de 58 anos, e sua mãe, Luzia Tereza Alves, de 86 anos, em Goiânia. A pessoa em questão foi identificada como a advogada Amanda Partata e foi conduzida à Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios. Os motivos que levaram à prisão não foram divulgados pela Polícia Civil, que agendou uma entrevista coletiva sobre o caso para esta quinta às 10h.

A suspeita negou veementemente o crime ao ser questionada pela imprensa na entrada da delegacia, alegando inocência, contou o portal de notícias UOL.

De acordo com a fonte, Leonardo Alves Ferreira morreu no domingo, 17, apenas 12 horas após os primeiros sintomas de envenenamento, enquanto que sua mãe faleceu um pouco depois, na madrugada de segunda-feira, 18. A médica Maria Paula Alves, filha de Leonardo, tornou o caso público por meio de suas redes sociais.

A Polícia Civil de Goiás expressou condolências nas redes sociais pela morte de Leonardo, que ocupava o cargo de assistente de gestão administrativa na DERFRVA (Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores). "Que Deus conforte os corações dos familiares e amigos nesse momento de dor", destacou o comunicado.

Doceria não tem relação com as mortes

Em resposta ao UOL, a Delegacia Estadual de Homicídios confirmou que a investigação concluiu que a doceria de Goiânia não tem relação com as mortes. As vítimas haviam consumido um produto do estabelecimento horas antes de falecerem. O caso permanece sob apuração, em sigilo.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!