Matérias » Personagem

Traições e violência psicológica: o trágico casamento entre a princesa Margaret e Antony Armstrong-Jones

Após a luxuosa cerimônia em 1960, o relacionamento da irmã da rainha Elizabeth II estava longe de ser feliz e saudável

Daniela Bazi Publicado em 21/03/2020, às 09h00

Princesa Margaret e Antony Armstrong-Jones no anúncio de seu noivado
Princesa Margaret e Antony Armstrong-Jones no anúncio de seu noivado - Getty Images

A princesa Margaret, irmã mais nova da rainha Elizabeth II, sempre esteve nas manchetes dos jornais com suas diversas polêmicas, principalmente voltadas a seus relacionamentos. No início da década de 1950, ocorreu o seu primeiro grande escândalo amoroso, quando se envolveu com o oficial da Força Aérea Real divorciado e 16 anos mais velho, Peter Townsend.

Quando anunciaram o noivado, revelaram que esperariam até a jovem princesa completar 25 anos para a realização da cerimônia, entretanto, isso nunca aconteceu. Para oficializarem sua união, Sua Alteza Real e seus descendentes perderiam os títulos reais, privilégios e o lugar na linha de sucessão ao trono. A separação entre os dois foi divulgada no dia 31 de outubro de 1955.

Princesa Margaret e Peter Townsend / Crédito: Domínio Público

 

Com o fim de seu relacionamento, a filha do rei George VI voltou para sua antiga vida de muitos romances, festas, bebidas e cigarros.  Em uma de suas aventuras, conheceu o fotógrafo Antony Armstrong-Jones e logo começaram a se envolver. O homem vivia um estilo de vida sem muitas regras e afastava a princesa de seus inúmeros protocolos e tradições impostos à família real.  

Certa vez, acabou recebendo uma carta de seu ex-namorado e verdadeiro amor Peter Townsend, que havia sido enviado para trabalhar com a Força Aérea na baixada britânica em Bruxelas, onde dizia que havia se apaixonado por uma belga de apenas 19 anos e que o casal cogitava um casamento. Em questão de dias, Margaret também anunciou de que estaria noiva de Antony. 

O perturbado matrimônio 

O casamento ocorreu no dia 6 de maio de 1960 na Abadia de Westminster, sendo um dos primeiros a ser televisionado e contando com uma audiência de 20 milhões de pessoas. Armstrong-Jones recebeu o título de Conde de Snowdon, alterando também o de sua esposa, que se tornou Sua Alteza Real, a princesa Margaret, Condessa de Snowdon. 

Margaret e Antony / Crédito: Getty Images

 

A relação resultou no nascimento de dois filhos: David, que nasceu em 1961, e Sarah, em 1964. Entretanto, a união estava longe de ser feliz e saudável. Antony não acreditava na monogamia e traía a princesa frequentemente, com diferentes homens e mulheres de forma simultânea. Para se ter ideia, ele acabava nem se preocupando em esconder seus casos. 

Entre seus diversos romances, acabou engravidando Camila, uma de suas amantes. A mulher deu à luz a uma menina que foi chamada de Polly, e só foi reconhecida muitos anos depois. O conde também mantinha encontros com as atrizes Jacqui Chan e Gina Ward regularmente, além de se envolver intimamente com um casal de amigos, chamados Jeremy e Camille Fry. Lucy Lindsay-Hogg.

Margaret tinha conhecimento de todas as relações extraconjugais de seu marido e, apesar da vida de festas - e também o traindo -, vivia em profunda tristeza e não cogitava pedir divórcio devido a as estritas regras impostas a família real sobre o assunto. 

Segundo o jornalista Craig Brown na biografia sobre a princesa Margaret Ma’am Darling: 99 Glimpses of Princess Margaret, Antony era um “esposo psicopata que atormentava Margaret deliberadamente”. Certa vez, deixou um recado para sua mulher em que dizia  "Você parece uma manicure judia, e eu odeio você".

Em outra ocasião, quando estavam se preparando para ir a uma festa na casa do milionário Stavros Niarchos na Grécia, o conde teria pedido para a princesa utilizar um luxuoso vestido de gala. Ao chegarem no local, avistaram todos de jeans e sandálias. Jones colocou a culpa toda na herdeira e eles tiveram uma enorme e violenta discussão. 

Como tentativa de se afastar por um tempo do trágico casamento, em 1976 Margaret viajou para sua ilha particular em Mustique, onde acabou conhecendo e se apaixonando pelo paisagista e aristocrata 17 anos mais novo, Roddy Llewellyn. Os dois acabaram sendo fotografados juntos e o caso foi exposto em todos os jornais da época. 

Imagens divulgadas pelo jornal News of the World de Margaret e Roddy / Créditos: Anwar Hussein

 

A divulgação da traição foi o motivo que faltava para que Antony pedisse o divórcio. Assim, foram parar nas manchetes como primeiro casal real a se separar formalmente em 77 anos. Em 1978, foi anunciado de que o polêmico casamento havia realmente chegado ao fim.


+Saiba mais sobre a princesa Margaret por meio das obras disponíveis na Amazon:

Ninety-Nine Glimpses of Princess Margaret, Craig Brown (2019) - https://amzn.to/2vzsJp8

Princess Margaret: A Life of Contrasts, Christopher Warwick (2018) - https://amzn.to/2xTPQLX

The Other Windsor Girl: A Novel of Princess Margaret, Royal Rebel, Georgie Blalock (2019) - https://amzn.to/396N6HZ

Royal Sisters: Queen Elizabeth II and Princess Margaret, Anne Edwards (2017) - https://amzn.to/33ynouU

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du