Matérias » Brasil

Uma história mal contada: A farsa sobre o Kit Gay

O apelido Kit Gay foi dado pejorativamente ao material “Escola sem Homofobia”, desenvolvido pelo Ministério da Educação no ano de 2004. Entenda!

Joseane Pereira Publicado em 08/01/2020, às 08h00

O trabalho “Escola sem Homofobia” procura combater o preconceito e violência contra a população LGBT
O trabalho “Escola sem Homofobia” procura combater o preconceito e violência contra a população LGBT - Getty Images

Durante reunião com Jair Bolsonaro nesta terça-feira (7), o ministro da educação Abraham Weintraub elogiou o trabalho realizado por sua pasta, em especial o programa “Conta para Mim” lançado em dezembro de 2019, que estimula a leitura em ambiente familiar. Segundo o ministro, o programa buscaria “valorizar o papel da família com as crianças pequenas nesses primeiros momentos. Sai o kit gay e entra a leitura em família”.

Uma história mal contada

Pejorativamente chamado de kit gay pelo governo Bolsonaro, o material “Escola sem Homofobia” é fruto de um programa de combate ao preconceito e violência contra a população LGBT lançado em 2004 pelo Governo Federal e pelo Ministério da Educação, denominado “Brasil sem Homofobia”.

O material foi elaborado por meio de um convênio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), e seria distribuído a escolas de todo o país. Entretanto, em 2011, quando estava pronto para ser enviado a professores e educadores, o conteúdo foi barrado por setores conservadores do Congresso Nacional, sob alegação de que ele estimulava “o homossexualismo e a promiscuidade".

O projeto foi suspenso, e o 1,9 milhão de reais investido pareceu em vão. Quatro anos depois, em 2015, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) que esteve envolvida na elaboração divulgou o Caderno com instruções ao professor, um dos elementos do kit “Escola sem Homofobia”.

Ilustração do caderno "Escola sem Homofobia", elaborado pelo MEC / Crédito: Ministério da Educação

 

"Acreditamos na relevância do material para garantir o respeito à diversidade nas escolas e queremos dar retorno à sociedade, já que dinheiro público foi investido", afirmou a ABGLT ao site Nova Escola na época de publicação do caderno.

O material “Escola sem Homofobia”

Com 123 páginas, o caderno é composto por textos de formação pedagógica sobre temas como desigualdade entre homens e mulheres, luta pela cidadania LGBT, homofobia na escola e diversidade sexual. E seu público alvo não seriam crianças de seis anos, como afirmou o presidente Bolsonaro em sua campanha, mas professores e educadores.

Além dos textos de formação, também são oferecidas opções de dinâmica em sala de aula, como a ficha “Discutindo silêncios”, que tem como objetivo “perceber situações de homofobia que se costuma não enxergar” e “Lição de antipreconceito”, que procura “sensibilizar estudantes a perceber o quanto certas brincadeiras podem ser interpretadas ou sentidas de formas diferentes pelas pessoas”.

O caderno, que viria acompanhado de boletins e vídeos educativos, pode ser baixado aqui.


+Saiba mais sobre esse tema através das seguintes obras:

1. Homossexualidade na escola: Opção ou orientação no entendimento docente?, de Márnei Consul - https://amzn.to/2tFm9w2

2. Uma Outra Verdade - Perguntas e Respostas para Pais e Educadores sobre Homossexualidade na Adolescência, de Claudio Picazio - https://amzn.to/2FxMDSO

3. Purpurina na terra do cangaço: Refletindo a Homossexualidade na Escola, de Maria Alcina Ramos de Freitas Freitas - https://amzn.to/35v38tn

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.