As armas dos soviéticos

Os equipamentos que ajudaram os soviéticos a expulsar os alemães

Beto Gomes e Fabiano Onça Publicado em 01/08/2008, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

A despeito de toda a propaganda alemã, que ridicularizava os equipamentos soviéticos, chamando-os de toscos, as armas dos “vermelhos” ostentaram duas grandes qualidades: eram peças simples, capazes de serem produzidas em larga escala, e eram robustas, com qualidades para permanecer funcionando mesmo sob condições extremas.

KV-1

O que era - O KV-1, cujas iniciais homenageiam um dos figurões do regime comunista, Kliment Voroshilov, era um tanque pesado soviético, construído como uma resposta aos problemas enfrentados pelos carros de assalto vermelhos durante a Guerra Civil Espanhola, que careciam de blindagem.

Por que foi importante - O KV-1 era um verdadeiro pesadelo para os tanques alemães, claramente inferiores em combate, durante a invasão de 1941. Sua espessa blindagem só era rompida com ataques a queima-roupa. Além disso, seu poder de fogo era também muito efetivo. Seus problemas: era muito lento, difícil de manobrar e seus tripulantes tinham pouca visibilidade.

Ficha técnica (M1940)

Tripulação: 5

Peso: 43 toneladas

Armamento principal: canhão de 76.2 mm

Armamento secundário: 2x Degtyarev

Potência do motor: 600 HP

Blindagem: 25 a 75 mm

Degtyarev

O que era - Metralhadora leve, utilizada como apoio tático pela infantaria. Entrou em serviço em 1928. Os finlandeses apelidaram-na de Emma, em homenagem a uma valsa muito popular na época, pelo fato de o estojo de munição rodar como um disco no gramofone durante os disparos.

Por que foi importante - Tinha duas qualidades fundamentais: a primeira é que era extremamente fácil de montar, a ponto de trabalhadores não-qualificados poderem ser alocados para a linha de montagem. A segunda é que resistia muito bem às intempéries, como barro e areia. Seu único problema era o baixo índice de fogo. Por outro lado, era uma metralhadora que não superaquecia o cano.

Ficha técnica

Peso: 9,12 kg

Comprimento: 1 270 mm

Cartucho: 7.62 x 54 mm

Taxa de fogo: 600 disparos por minuto

Alcance efetivo: 800 m

BM-13 Katyusha

O que era - Foi o primeiro lançador múltiplo de foguetes autopropelidos da história. Seu nome, Katyusha, foi dado pelos soldados em alusão a uma canção popular da época. As plataformas de lançamento foram instaladas não só em caminhões, como em tanques, em trens armados e até mesmo em tratores de artilharia.

Por que foi importante - A despeito de sua relativamente baixa precisão, as Katyushas causavam uma devastação brutal na área afetada. Além disso, por serem móveis, eram difíceis de serem neutralizadas por fogo de contrabateria – quando a reação chegava, elas não estavam mais na área. Os alemães apelidaram a arma de “órgão de Stálin”.

Ficha Técnica (BM-13)

Caminhão: ZiS-6 com tração 6 x 4

Capacidade: 14 a 48 lançadores

Foguete M-13: 132 mm (diâmetro) 180 cm (comprimento) e 42 kg (peso)

Alcance: 5,4 km

SVT-40

O que era - O Samozaryadnaya Vintovka Tokareva, ou SVT-40, era um rifle semi-automático desenvolvido nos anos 30, pelo famoso designer de armas Fedor Tokarev, a mando do próprio Stálin, que tinha um forte interesse por esse tipo de arma.

Por que foi importante - O SVT foi talvez mais influente durante o pós-guerra do que durante a guerra. É que, na época da invasão de 1941, boa parte dos estoques da arma foi parar em mãos alemãs, como presa de guerra (a ponto de a Wehrmacht criar um manual de uso e rebatizar a arma como SIG.259(r)). No pós-guerra, várias armas sofreram forte influência do SVT, como a sueca AG-42 e a alemã G-43.

Ficha técnica

Calibre: 7.62 mm

Comprimento: 1 226 mm

Peso (descarregada): 3,85 kg

Cadência de tiro: semi-automática

Alcance efetivo: 500 m

IL-2

O que era - O Ilyushin Sturmovik era um avião de ataque ao solo, feito a partir de 1941. Este modelo e suas variantes foram um dos mais produzidos da história – 36 mil unidades ao total.

Por que foi importante - O IL-2 foi decisivo para barrar os tanques alemães. Era chamado por seus próprios soldados de “Tanque Voador”. Sua única vulnerabilidade era contra caças, a ponto de as versões posteriores incluírem um segundo homem, posicionado com uma metralhadora voltada para a cauda do avião.

Ficha técnica (IL-2 M3)

Tripulação: 2 (piloto e artilheiro)

Comprimento: 11,6 m

Envergadura: 14,6 m

Altura: 4,2 m

Peso (vazio): 4,3 toneladas

Peso (carregado): 6,1 toneladas

Velocidade máxima: 414 km/h

Teto de serviço: 5 500 m