Jóia indica: cultura nasceu em Israel e na Argélia

Enfeites pré-históricos feitos com conchas são considerados marco zero do pensamento

Cláudia de Castro Lima Publicado em 01/09/2006, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Pequenas conchas furadas de 100 mil anos foram consideradas recentemente o marco inicial do pensamento humano. Usadas como enfeites em colares, elas pertenciam a sítios arqueológicos de Israel e da Argélia. A pesquisa foi feita pelo antropólogo Christopher Hensilwood, da Universidade Estadual de Nova York, e publicada na revista científica Science.

Até então, as jóias mais antigas de que se tinha conhecimento pertenciam ao sítio arqueológico africano de Blombos e tinham 75 mil anos. Acreditava-se então que a cultura houvesse nascido lá – as conchas representam a capacidade de pensamento abstrato do homem, por isso são consideradas expressão cultural.