Surdo como uma porta

Para os romanos, as portas tinham poderes mágicos

Lívia Lombardo Publicado em 01/06/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Grande parte dos estudiosos da língua atribui à Roma antiga a origem da expressão usada para designar pessoas que não escutam direito. Na época, as portas tinham um caráter meio mágico. Quem passava por elas saía de um mundo, o externo, e entrava em outro. “Ultrapassar uma porta, uma passagem, era estar sob o controle de uma divindade doméstica, que podiam ser os conhecidos por deuses lares ou o espírito da casa, o genius”, diz o historiador Pedro Paulo Funari, da Universidade Estadual de Campinas.

Os romanos, por isso, tinham como hábito falar palavras mágicas em frente às portas, além de fazer pedidos a elas. E passaram a relacionar os pedidos que não se concretizavam a uma suposta “surdez” da porta. Esse velho costume foi registrado pelo escritor latino Festo, que viveu no século 4.