Curiosidades » Arqueologia

Morte trágica no Egito Antigo: 5 curiosidades sobre a saga da múmia Takabuti

A etnia e causa da morte da mulher permaneceram um mistério por quase 200 anos após seu corpo ser desembrulhado

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 29/08/2021, às 08h00

A múmia de Takabuti
A múmia de Takabuti - Divulgação/Universidade de Manchester

Embora tenha sido descoberta há quase 200 anos, a múmia de Takabuti guardou uma série de incógnitas que só puderam ser reveladas com pesquisas realizadas através de técnicas modernas. 

O impressionante corpo mumificado ainda possui uma trajetória curiosa, que envolve a compra de seu cadáver e sarcófago por um irlandês rico, dominado pela moda da egiptomania do século 19.

Pensando na saga curiosa, separamos 5 curiosidades sobre a história da múmia Takabuti. 

1. Egiptomania

Thomas Greg da Ballymenoch House, Holywood, Co. Down, adquiriu a múmia e seu sarcófago em 1834. A egiptomania havia se tornado a nova moda entre os ricos depois das guerras napoleônicas, a partir do final de 1815, com aquisições de itens do Egito Antigo. Embora muitas permanecessem apenas em coleções privadas, Takabuti foi estudada.

No ano seguinte, ela foi desenrolada e avaliada pelo egiptólogo irlandês Edward Hincks no Museu de História Natural de Belfast, na Irlanda do Norte. Ele foi o responsável por obter as mais importantes informações sobre o corpo mumificado, principalmente a partir dos inscritos no caixão.


2. A múmia

A múmia Takabuti / Crédito: Divulgação/Museu Ulster

 

A partir dos estudos preliminares realizados por Edward Hincks, foi possível chegar a conclusão de que se tratava de uma mulher que viveu durante a 25º Dinastia do Egito Antigo, na cidade de Tebas. 

Segundo as interpretações do estudioso das inscrições no sarcófago, ela também teria sido dona de uma grande casa em Tebas e filha de Taseniric e de um dos sacerdotes de Amon, deus do Sol. Outra informação importante foi a de que a mulher provavelmente morreu entre os 20 e 30 anos de idade.


3. Estudos recentes

Pesquisador ao lado da múmia / Crédito: Divulgação/Museus Nacionais Ni

 

O egiptólogo irlandês foi pioneiro no estudo de Takabuti, mas, na época, os recursos ainda eram limitados e não possibilitavam análises aprofundadas no corpo conservado há tanto tempo. Por isso, em 2020, pesquisadores decidiram retomar a pesquisa e descobrir mais sobre a mulher.

O projeto foi idealizado pela Universidade de Queens, no Canadá, em parceria com os Museus Nacionais da Irlanda do Norte. Foram realizados testes de DNA e tomografias, acompanhados uma série de outros exames realizados ao longo da história da múmia, desde que ela foi desembrulhada em 1835.


4. Causa da Morte

Uma das informações obtidas pelos cientistas a partir do novo estudo foi a possível causa da morte da moça, algo que Edward Hincks não conseguiu descobrir há 200 anos. A tomografia revelou que Takabuti teria morrido após ter sido esfaqueada nas costas de maneira brutal. 

Foi possível perceber marcas de facas na parte superior das costas do corpo, perto do ombro esquerdo da múmia; tudo isso por meio da tomografia realizada na múmia.

Eles também perceberam que o coração continuava no corpo, diferente das técnicas observadas em outros egípcios mumificados já descobertos.


5. Europeia, não egípcia?

O corpo no sarcófago / Crédito: Divulgação/Universidade de Manchester

 

Os especialistas também perceberam, por meio dos exames de DNA feitos na múmia, que Takabuti não era egípcia, como poderia ser assumido apenas pelo fato de ela ter morado no Egito durante grande parte de sua vida. 

Na verdade, ela provavelmente era europeia, aspecto importante que foi definido por meio dos resultados dos testes de DNA que apontam que a mulher tinha genes mais semelhantes a características da Europa do que do Egito.


+Saiba mais sobre o Egito Antigo através de importantes obras disponíveis na Amazon:

O Egito Antigo, Ciro Flamarion Cardoso (1982)https://amzn.to/2mUip74

Religião e Magia no Antigo Egito, Rosalie David (2011) - https://amzn.to/2nT5Ngi

O Egito dos Grandes Faraós, Christian Jacq (2007) - https://amzn.to/2n35mjD

Egito Antigo, Sophie Desplancques (2009) - https://amzn.to/2oCfCjr

Tesouros do Egito, Francesco Tiradritti (2000) - https://amzn.to/2n34L1l

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du