Curiosidades » Crimes

5 fatos sobre os horrores de Delphine LaLaurie, a escravocrata de Nova Orleans

Considerada como a maior e mais terrível torturadora do século 19, a mulher sádica fazia da vida de seus escravos um inferno

Pamela Malva Publicado em 30/07/2020, às 18h00

Representações de Marie Delphine LaLaurie
Representações de Marie Delphine LaLaurie - Divulgação/Youtube

1. Riqueza e preconceito

Nascida em uma família de políticos, Marie Delphine Macarty cresceu acostumada com a vida de um membro da elite no final do século 18. Natural da Louisiana espanhola, a menina tinha mais quatro irmãos e vivia entre os membros mais respeitados e prestigiados da sociedade da época.

Em mansões enormes, Marie via seus familiares como donos de dezenas de escravos que, durante a Revolução Haitiana, temeram pessoalmente a resistência da militância negra. A constante rixa entre a família de Marie e os escravos, então, fez com que ela desenvolvesse um sentimento terrível em relação aos seus subordinados.


2. Vida pessoal

Representações de Marie Delphine LaLaurie / Crédito: Divulgação/Youtube/Wikimedia Commons

 

Na idade adulta, Marie tornou-se uma mulher respeitada e, acima de tudo, temida por aqueles que estavam abaixo dela na sociedade hierárquica do século 19. Às vezes bastante amarga, ela chegou a se casar três vezes entre 1800 e 1825, tornando-se viúva nos dois primeiros matrimônios.

Em 1825, Marie subiu no altar pela terceira e última vez, agora com o médico Leonard Louis Nicolas LaLaurie. Anos mais tarde, em 1831, o casal mudou-se para uma mansão de dois andares, em um antigo bairro de Nova Orleans. Foi na suntuosa casa que a mulher explorou todo o seu sadismo e, assim, passou a maltratar seus escravos.


3. Episódios insanos

Imagem meramente ilustrativa de incêndio em mansão / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Diversos boatos sobre a crueldade de Marie viajavam pela sociedade. O pior deles dizia respeito à jovem Lia, uma escrava de 12 anos. Em um dia comum, ela escovava os cabelos da dama quando puxou os fios com um pouco mais de força. Marie teria ficado irada e, durante a discussão, a menina caiu do telhado da mansão.

O caso insólito rendeu uma investigação e, pelas evidências de maus tratos, os LaLaurie foram sentenciados à perda de nove escravos. Aquele, no entanto, não seria o único episódio trágico da residência do casal.

No dia 10 de abril de 1834, a enorme casa simplesmente pegou fogo. Ao chegarem na mansão, a polícia encontrou uma mulher na faixa dos 70 anos amarrada pelo tornozelo no fogão da cozinha. Aos oficiais, a escrava afirmou que tinha começado o fogo como tentativa de suicídio. Muitos morreram carbonizados no episódio.


4. Crueldade ilimitada

A personagem de Madame LaLaurie na série American Horror Story: Coven / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Juntos, Leonard e sua esposa criaram os seis filhos da mulher, todos frutos das antigas reações dela. Embora fossem herdeiros de Marie, os pequenos também eram alvo de sua crueldade desenfreada. Quando tentavam alimentar ou conversar com os escravos da mãe, por exemplo, as crianças eram espancadas até o limite de seus corpos.

Em investigações posteriores, ainda descobriu-se que os escravos de Marie eram constantemente torturados pela mulher. Muitos ficavam presos, suspensos pelo pescoço, outros eram terrivelmente mutilados, enquanto os menos sortudos eram obrigados a usar colares de ferro e tinham suas genitais removidas.


5. Reputação sádica

A mansão dos LaLaurie em 1906 e ilustração de uma das entradas da casa / Crédito: Wikimedia Commons

 

Devido às constantes sessões de tortura ocorridas na mansão dos LaLaurie, muitos dos futuros donos da residência afirmam que o lugar é mal-assombrado. E não é de menos: Delphine LaLaurie ficou conhecida como a maior torturadora de escravos da história dos Estados Unidos — fossem eles homens, mulheres ou crianças.

Não se sabe exatamente qual foi o destino da mulher quando seus crimes foram descobertos, mas acredita-se que ela tenha fugido para Paris, onde morreu em 1842. Com uma lista enorme de homicídios nas mãos, Marie passou a ser conhecida como uma terrível serial killer, responsável pela morte de cerca de cem pessoas.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

A Condessa Sangrenta, Alejandra Pizarnik (2011) - https://amzn.to/2DowuxU

Elizabeth Bathory (English Edition), Edward Eaton (e-book) - https://amzn.to/2DoH34n

Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, Ilana Casoy (2017) - https://amzn.to/34v1Uii

Lady Killers: Assassinas em Série: As mulheres mais letais da história - Em uma edição igualmente matadora, Tori Telfer (2019) - https://amzn.to/2XX79EX

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W