Curiosidades » Coronavírus

Grey’s Anatomy relatou suspeita de coronavírus em médica há 4 anos

Em episódio, lançado em 2015, a doutora April Kepner apresentava sintomas parecidos com o do vírus — e ficou isolada

Penélope Coelho Publicado em 19/03/2020, às 16h00 - Atualizado às 17h00

A atriz americana Sarah Drew em imagem de divulgação como Dra. April Kepner
A atriz americana Sarah Drew em imagem de divulgação como Dra. April Kepner - Divulgação

Grey’s Anatomy, uma das séries médicas mais famosas do mundo, está no ar há quase 15 anos. Em 356 episódios, a produção já revelou diversos casos no mínimo bizarros, e muitos deles são reais. Como por exemplo: o homem árvore, inspirado em um menino indiano com HPV;  e a paciente imune a qualquer tipo de sofrimento físico – trazendo uma síndrome rara e difícil de ser tratada, chamada de Insensibilidade Congênita à Dor.

Nessas de casos malucos, a série teve um momento pra lá de profético em 2015. Quando Grey’s estava em sua décima segunda temporada, April Kepner, a personagem da atriz Sarah Drew, enfrentou percalços por suspeita de coronavírus, isso tudo quatro anos antes da pandemia da doença tomar conta do mundo.

O episódio Walking Tall (De cabeça Erguida), mostrou os apuros da doutora Kepner, que tinha acabado de voltar do Oriente Médio para Seatle – cidade americana onde a série se passa. Quando a médica estava no vestiário se aprontando para uma cirurgia, outra doutora, Arizona Robbins (interpretada por Jessica Capshaw), nota que April está lotada de manchas vermelhas nas costas.

Quando Robbins percebe que a amiga também está gripada, com febre e tosse, ela cobre imediatamente o rosto com uma máscara e chama a chefe de cirurgia Miranda Bailey (Chandra Wilson). As duas decidiram tomar uma atitude radical: isolaram April Kepner em uma espécie de bolha para que ninguém se contamine, enquanto isso a equipe começou uma busca para entender o que a médica tinha.

O então marido de April na série, o doutor Jackson Avery (Jesse Williams) se junta a Bailey e Robbins na discussão sobre o que a confinada poderia ter. Enquanto Kepner fica impaciente lá dentro, os três entram em um diálogo citando o coronavírus como uma possibilidade do diagnóstico de Kepner:

“Você está com lesões, tosse e febre, e você estava no Oriente Médio. A gente não sabe o que você tem. E a gente também não sabe se é contagioso. [...] Não vamos ter epidemias hoje, no momento os sintomas dela não são específicos”.  Diz a doutora Bailey. Quando Jackson pergunta: “Alguma chance de coronavírus?”, Arizona demontra grande preocupação: “Ai não, você acha?”. Indaga a médica.

April Kepner e Jackson Avery se falam pelo vidro enquanto médica está em isolamento com suspeita de coronavírus / Crédito: Divulgação

 

Na época a doença que intimidava o mundo era conhecida como Mers, a síndrome respiratória do Oriente Médio, e como a médica havia passado três meses servindo no exército, eles acharam prudente isolá-la para evitar uma contaminação maior. O Mers é da família do coronavírus, e um variante do Covid-19. Os sintomas são parecidos: gripe, resfriado e tosse, mas a doença não chegou a ser tratada como uma pandemia na época.

Até saírem os resultados dos testes feitos em Kepner, ela permaneceu na bolha, e tinha contato apenas com uma enfermeira que entrou no local com uma roupa especial para cuidar da paciente. 12 horas depois de ficar afastada da sociedade, April recebeu seu diagnóstico pela boca de Jackson “Pelo visto você não está com a síndrome respiratória coronavírus”.

No final das contas, o que a doutora April Kepner tinha era uma dermatite de contato, uma espécie de inflamação na pele, e depois disso ela pôde ser liberada totalmente do isolamento, de volta a sua vida normal no Greys Sloan Memorial Hospital.

A série produzida pela ABC está atualmente em sua décima sexta temporada. Os episódios inéditos são reproduzidos nas terças-feiras, ás 21h no canal Sony, e as outras 15 temporadas estão na Netflix. Porém, as gravações dos novos capítulos foram interrompidas por duas semanas devido ao Covid-19. Isso não está acontecendo somente com Grey’s Anatomy, o vírus vem adiando grandes produções de Hollywood, incluindo o tão esperado live action de Mulan.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras: 

Doenças que mudaram a história, de Guido Carlos Levi (2018) - https://amzn.to/33woA1R

Epidemias no Brasil. Uma Abordagem Biológica e Social, Rodolpho Telarolli Junior (2013)

 - https://amzn.to/2PQHuLJ

Cambridge - História da Medicina, de Roy Porter (2008) - https://amzn.to/38ZeyHN

Sobre a morte e o morrer, Elisabeth Kubler-Ross (2017) - https://amzn.to/3aPKr73

Louis Pasteur da Química à Microbiologia , de Sabrina Pascoli Rodrigues (2014) - https://amzn.to/38GOOzF

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du