Curiosidades » Crimes

Há 42 anos, acontecia o suicídio em massa em Jonestown

Com mais de 900 vítimas, o episódio foi guiado por um líder manipulador que convenceu seus seguidores do impensável

Pamela Malva Publicado em 18/11/2020, às 08h00 - Atualizado às 11h31

Alguns fiéis reunidos em Jonestown
Alguns fiéis reunidos em Jonestown - Divulgação/Youtube

Jim Jones era um manipulador nato. Para ele, guiar multidões e fazer discursos convincentes eram atividades fáceis e, quando se tornou líder de uma seita, o homem teve pouquíssimos problemas relacionados à confiança de seus seguidores.

Fascinado pela morte, Jim lia muito sobre personalidades como Adolf Hitler e Josef Stalin. Através dessa literatura, inclusive, ele descobriu novas formas de guiar seus fiéis, bem como diferentes métodos para convencer e manipular novos membros de sua seita.

Tendo disseminado a ideia de uma América unida e íntegra, ele chegou a ter 50% de seu grupo de fiéis composto por afros-americanos. Para eles, Jim prometia direitos civis igualitários e uma sociedade sem preconceitos.

Tamanha foi a retórica do líder messiânico que, há exatos 42 anos, no dia 18 de novembro de 1978, os fiéis seguiram Jim em um episódio trágico. Guiadas pelo homem, cerca de 900 pessoas participaram de um dos massacres mais assustadores da história.

Jim Jones, o líder da seita Templo Popular / Divulgação: Wikimedia Commons

 

Promessas sem fundamento

Aos seus seguidores, todos membros do chamado Templo do Povo, Jim Jonesdizia ser a reencarnação Jesus, Buda e Lenin. Com uma base de fiéis bastante sólida, então, ele fundou Jonestown, uma comunidade na Guiana, no meio da floresta Amazônica.

No local, que logo se tornaria o palco para o terrível suicídio coletivo, o líder religioso planejou friamente cada detalhe do episódio macabro. Tido como progressista, Jim ensaiava o massacre frequentemente nas chamadas "noites brancas".

Em verdadeiras simulações, o líder manipulador explicava miuciosamente cada passo que os membros do Templo teriam de seguir no dia do suicídio. O plano, nesse sentido, era simples: eles só deveriam tomar uma considerável quantidade de veneno.

Crença que mata

Mesmo após dezenas de ensaios, no entanto, aquele trágico dia 18 de novembro não saiu como Jim esperava. Enquanto muitos de seus seguidores, de fato, acompanharam o plano como o líder mandou, outras dezenas de fiéis saíram do roteiro.

No dia do massacre, diversos membros do Templo do Povo se recusaram a beber a mistura de cianeto, calmantes e um suco artificial. Chamado de Kool-Aid, o drink mortal seria o responsável por arrancar a vida dos seguidores de Jim.

Quando muitos deles disseram “não” para as ordens do líder, no entanto, uma verdadeira cena de terror comou conta de Jonestown. Em minutos, centenas de suicídios e execuções cobriram a grama da comunidade.

Imagem área dos membros do Templo do Povo mortos / Crédito: Getty Images

 

Completamente sem saída

Enquanto adultos envenenavam os próprios filhos e, em seguida, tomavam a bebida mortal, outras dezenas de pessoas eram assassinadas. Quase todos aqueles que tentavam fugir do local foram fuzilados a mando de Jim Jones.

Mais tarde, descobriu-se que o veneno usado pelo grupo também foi injetado em dezenas de pessoas, mesmo contra a vontade delas. Muitos corpos contavam até mesmo com perfurações, o que indica que essas pessoas foram esfaqueadas.

No total, apenas 35 membros do grupo sobreviveram ao massacre e contaram os absurdos vividos naquele dia. Outras 909, no entanto, não tiveram a mesma sorte e tornaram-se parte de ums dos episódios mais obscuros da história moderna.

Estudantes e familiares se reúnem em memorial de vítimas, em Jonestown, Guiana / Crédito: The Jonestown Report

 

Saída pela culatra

De repente, a comunidade que nasceu com o intuito de oferecer um espaço de ajuda mútua estava manchada com o sangue dos seguidores de Jim Jones. Antes responsável por boas atitudes, o grupo foi dizimado por seu próprio líder.

Ao contrário de seus fiéis companheiros, no entanto, Jim Jones não seguiu os próprios comandos. Segundo as investigações da época, o líder religioso não consumiu o veneno distrubuido para os integrantes da seita, mas também acabou morto naquele dia.

Acontece que Jim foi encontrado já sem vida pelos oficias, vítima de um tiro na cabeça. Até hoje, entretanto, mesmo décadas mais tarde, ainda não se sabe se ele cometeu suicídio, ou se o homem manipulador foi assassinado por um dos membros do Templo.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

The Jonestown Massacre: What We Must Not Forget (Edição em Inglês), de Mel White (2018) - https://amzn.to/2pcQW1i

The Strongest Poison - How I Survived the Jonestown Guyana Massacre (Edição em Inglês), de Mark Lane (2014) - https://amzn.to/2Ndokgt

Raven: The Untold Story of the Rev. Jim Jones and His People (Edição em Inglês), de Tim ReitermanJohn Jacobs (2018) - https://amzn.to/2MP8Z6R

The Road to Jonestown: Jim Jones (Edição em Inglês), de Jeff Guinn (2017) - https://amzn.to/344a8gM

Jim Jones and the Peoples Temple: The History of the Most Notorious Cult and Mass Murder-Suicide in American History (Edição em Inglês), de Charles River Editors (2015) - https://amzn.to/2MLpuRe

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W