Curiosidades » Egito Antigo

Nilômetro, a invenção egípcia usada para prever enchentes e determinar impostos

Muito usada nos tempos faraônicos, a tecnologia media o nível da água que transbordava do Nilo e tinha um papel crucial na agricultura

Pamela Malva Publicado em 26/03/2020, às 08h00

Imagem de Nilômetro real, com as sessões usadas para medir o nível da água
Imagem de Nilômetro real, com as sessões usadas para medir o nível da água - Wikimedia Commons

Ricos tanto em cultura, quanto em tradição, os povos do Egito Antigo conviviam com um constante contratempo da natureza. Todos os anos, de julho a outubro, as terras egípcias eram inundadas pelas chuvas de verão.

Com o grande volume de água, o Nilo transbordava durante todo o período das chuvas. E não pense que os egípcios ficavam frustrados com toda aquela água. Para eles, a inundação anual era o fenômeno mais importante do ano.

Era através da água trazida pelo Nilo que a fertilização das terras agrícolas aconteciam. Isso porque, durante as chuvas, toneladas de lodo — um dos fertilizantes usado na época — eram carregadas pela enchente.

Ainda mais, as inundações eram usadas para determinar festivais religiosos e, assim, regulavam o estilo de vida no Egito Antigo. Entretanto, existia um problema: era impossível identificar tudo que as águas indicavam apenas olhando para o horizonte.

Agricultura às margens do Rio Nilo / Crédito: Divulgação

 

A ideia do século

A fim de observar melhor o nível de água do Rio Nilo durante as estações de cheias, os egípcios inventaram os nilômetros. Feitos de pedra ou mármore, as gigantes colunas eram usadas para medir a altura que a inundação atingia.

Acima de um amplo sistema de canos, os egípcios construíam um poço profundo, com uma coluna no meio — os nilômetros. Como estavam em um nível muito abaixo do Nilo, os poços eram preenchidos com água durante as enchentes.

Com a estrutura pronta, a coluna octagonal era seccionada em 19 segmentos, de 50 centímetros cada. Assim, os nilômetros poderiam ser usados como régua e mediam enchentes de até 9,5 metros.

Uma vez determinado o tamanho da coluna de mármore, os egípcios observaram o que cada altura indicava. Quando a água da chuva atingia as 19 sessões, ficava claro que o Egito estava passando por fortes inundações.

Caso o nível chegasse a 12 segmentos, o volume de água não seria suficiente para a agricultura e, assim, o povo enfrentaria fome naquele ano. A colheita apenas seria abundante caso a altura da água atingisse a 16ª sessão.

Dessa forma, graças à ferramenta, os egípcios foram capazes de prever a sorte da colheita anual. A partir desses dados, então, eles determinavam os impostos e os preços dos alimentos a serem cobrados da população. 

Ilustração de Nilômetro / Crédito: Wikimedia Commons

 

Herança cultural

Famosos nos tempos faraônicos, os nilômetros continuaram sendo utilizados mesmo depois que o Egito foi conquistado por estrangeiros. A tecnologia era eficaz e era a melhor forma de observar as enchentes que continuavam acontecendo.

Por séculos, as populações egípcias aproveitaram a eficácia dos nilômetros e construções semelhantes foram encontradas até mesmo em civilizações greco-romanas. Com o tempo, entretanto, grande parte das estruturas foi perdida.

Segundo artigo publicado na National Geographic, em 2016, existem “menos de duas dúzias dos dispositivos” no mundo todo. Esse é o caso do nilômetro de Helwan, localizado ao sul do Cairo, por exemplo.

Situado na margem do Nilo, as ruínas do nilômetro podem ser visitadas até hoje. Segundo registros arqueológicos, a construção foi erguida ou restaurada em 699 d.C. — cerca de meio século depois que os muçulmanos conquistaram o Egito.

Ilustração representando a agricultura egípcia / Crédito: Divulgação

 

Em 714 d.C., o califa omíada Al-Walid I observou o péssimo estado de conservação da estrutura e deu uma ordem. Ao governador do Egito na época, ele exigiu que o nilômetro fosse reconstituído.

Por anos a fio, independentemente da potência que dominasse o Egito, os nilômetros continuaram a forma mais eficaz de medir o nível das chuvas. Os impostos egípcios, inclusive, foram baseados nas enchentes até metade do século 20.

A construção, entretanto, tornou-se obsoleta em 1970, quando outra estrutura foi erguida: a barragem de Aswan High. Com a nova tecnologia, a relação entre o Nilo e a população que morava em suas margens sofreu uma mudança considerável.

Pela primeira vez em séculos, era o homem quem controlava as enchentes causadas pelo Nilo e, assim, os nilômetros não eram mais necessários. Com a barragem, as águas eram armazenadas em um reservatório, liberadas apenas quando necessário.


+Saiba mais sobre o Egito através das obras abaixo, disponíveis na Amazon

História do Egito Antigo, de Nicolas Grimal (2012) - https://amzn.to/3dyDv0i

Egito Antigo, de Stewart Ross (2005) - https://amzn.to/2UjZSPt

Mística egípcia, de Moustafa Gadalla (2014) - https://amzn.to/2UBJwR1

O Livro Dos Mortos Do Antigo Egito, de E. A. Wallis Budge (2019) - https://amzn.to/2Uj4YLF

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du