Curiosidades » Civilizações

Torre de vento: conheça o impressionante sistema de "ar condicionado" dos Persas

Entenda como a antiga civilização dominava o calor do deserto

Redação Publicado em 11/07/2020, às 08h00

Um dos sistemas dos antigos Persas
Um dos sistemas dos antigos Persas - Wikimedia Commons

Sol escaldante e clima seco sempre fizeram parte do cotidiano de cidades localizadas em regiões de deserto. E a situação não ficava mais amena dentro de construções.

Até que, estudando os princípios da termodinâmica, da aerodinâmica e da transferência de calor, antigos arquitetos persas encontraram uma solução. Por volta de 4 mil a.C., eles desenvolveram a torre de vento, estrutura que utiliza, como diz o nome, o vento para refrigerar áreas internas, atuando como um grande sistema de ar condicionado.

Acredita-se que as primeiras torres de vento (em persa: badgir, catavento) tenham sido construídas na cidade iraniana de Yazd, na antiga Pérsia. Logo a ideia foi levada para as regiões que hoje correspondem ao Afeganistão, Emirados Árabes Unidos e Bahrein. Construções semelhantes também eram usadas no Egito antigo – aparecem em murais datados de 1350 a.C., encontrados na tumba do oficial egípcio Nebamun.

A torre de vento é uma estrutura alta, com teto e paredes grossas, construída em edifícios ou habitações. No topo, conta com uma ou mais janelas, voltadas para a direção do vento. Ela é projetada de acordo com a variação dessa direção no local da construção.

Nos casos em que o vento costuma soprar a partir de apenas um lado, com pouca variação, é construída somente com uma janela de entrada. Se o vento sopra a partir de diferentes direções, mais janelas são abertas para regular.

A forma mais simples funciona só circulando o vento. As janelas de entrada captam o vento – que tem maior velocidade média no topo da torre do que no solo – e o direciona para o interior da construção por meio de frestas.

O ar frio, mais denso, tende a descer pela torre e circular pelo edifício até chegar às janelas de saída na parede oposta – maiores do que as de captação de ar. Esse fluxo faz com que o ar quente seja sugado até a torre e saia pelas janelas.

Uma separação vertical, construída entre as paredes opostas, impede que os fluxos de entrada e saída se cruzem. Outra maneira é criar uma ligação entre a casa e o qanat, o canal de água subterrâneo. Neste caso, a torre é aberta na direção oposta do vento.

A diferença de pressão faz com que o ar frio do canal seja sugado para dentro da casa. Há uma variação solar, na qual a torre é projetada para aquecer o ar dentro dela. Isso faz com que suba e saia para fora, atuando como um exaustor e reforçando o efeito.

Era uma enorme conveniência – as atuais formas populares de ventilação só foram inventadas a partir do século 19, como o ventilador, de 1882, e o primeiro ar-condicionado, de 1902. E gastam energia.