Notícias » Entrevista

AH Live: Ivan Mizanzuk, o podcaster que tem investigado o Caso Evandro

Na próxima terça-feira, às 16 horas, Mizanzuk participa de um bate-papo onde contará detalhes sobre a investigação de um dos crimes mais marcantes de 1990

Fabio Previdelli Publicado em 29/10/2020, às 10h27

Evandro Ramos Caetano, a vítima
Evandro Ramos Caetano, a vítima - Divulgação

No próximo dia 3 de novembro, terça-feira da semana que vem, a Aventuras na História receberá o podcaster, escritor e professor universitário Ivan Mizanzuk em uma entrevista ao vivo em nossas redes sociais (Facebook e Instagram) para debater um dos casos mais chocantes e controversos do Brasil nos anos 1990: a morte de Evandro Ramos Caetano, que tinha apenas seis anos na época.  

Criado em 2015, o Projeto Humanos atualmente está em sua quarta temporada, intitulada “O Caso Evandro”. Também conhecido popularmente, no Paraná, como As Bruxas de Guaratuba, o caso começou a ser revivido por Ivan em 31 de outubro de 2018, quando o primeiro episódio foi divulgado.  

Atualmente, a temporada está em seu 34º capítulo, sendo dividida, até agora, em seis partes e um extra, cada qual com seu tema em específico. São elas: Parte 1: O Caso Evandro – Episódios 1 a 6; Parte 2: As Confissões – Episódios 7 a 12; Parte 3: Coisas Estranhas e Argumentos da Acusação – Episódios 13 a 16; Parte 4: Álibis e Testemunhas de Acusação – Episódios 17 a 24; Extras: Direito de Resposta de Diógenes Caetano e Episódio 25; Parte 5: O Corpo – Episódios 26 a 32 e Parte 6: Outros Suspeitos – Episódios 33 a 36. 

Neste ano, o Projeto Humanos bateu a marca de 5 milhões de downloads e, atualmente, está sendo adaptado para livro e série de TV. Seus episódios são lançados todas terças-feiras. Você pode conhecer mais sobre o Projeto Humanos clicando aqui

Sinopse sobre o Caso Evandro: 

“No dia 06 de abril de 1992, na cidade de Guaratuba, no litoral do Paraná, o menino Evandro Ramos Caetano, de apenas 6 anos de idade, desapareceu. Poucos dias depois, seu corpo foi encontrado sem as mãos, cabelos e vísceras. A suspeita: foi sacrificado num ritual satânico. 

Essa morte acabou por aumentar o medo de pais por todo o estado do Paraná, que enfrentava naquele momento um surto de crianças desaparecidas. Teriam seus filhos sofrido o mesmo destino trágico de Evandro? 

Em julho de 1992, sete pessoas são presas em Guaratuba, e confessam que usaram o menino em um ritual macabro. Mas o caso estava longe de ser encerrado – assim como a culpa daquelas pessoas estava longe de ser devidamente esclarecida”.