Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Educação

Aluno cita Adolf Hitler no anuário do colégio mais caro de São Paulo

A descoberta passou despercebida até a última quinta-feira, 2, e já sofreu intervenção da diretoria.

Redação Publicado em 04/06/2022, às 08h42

Imagem aérea da instituição de ensino - Divulgação / Avenues
Imagem aérea da instituição de ensino - Divulgação / Avenues

Um aluno da unidade paulista do colégio particular Avenue, considerado um dos mais caros do Brasil, causou polêmica ao citar uma frase de Adolf Hitler, líder nazista durante a Segunda Guerra Mundial, ao acompanhar sua foto no anuário, fato que passou despercebido durante a edição do livro e acabou sendo impresso e distribuído para parte dos alunos.

A descoberta da citação por parte da administração do colégio só ocorreu na última quinta-feira, 2, resultando em um comunicado direcionado aos responsáveis pelos estudantes, assinada pelo próprio diretor dos núcleos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio da instituição.

John Ciallelo afirmou que, "embora a frase em si, isoladamente, não seja ofensiva", a citação ao líder nazista não deveria ter aparecido no anuário ou sequer ser motivo de reverência na comunidade, mas não especificou se haverá punição contra o aluno.

Em reportagem, o jornal Folha de S. Paulo teve acesso ao material e descobriu que a citação foi disfarçada pelo aluno, que colocou a frase em inglês: "Qualquer um pode lidar com a vitória, mas só os poderosos podem suportar a derrota".

O garoto ainda fez questão de assinar o nome de Hitler abaixo da frase. Agora, o comunicado do colégio ainda afirma que os anuários serão recolhidos e a página da citação reimprimida.

O colégio

A Avenues é conhecida como a escola mais cara da capital paulista, cuja mensalidade chega a ultrapassar R$ 12 mil. Durante a pandemia, quando custava R$ 2 mil a menos, chamou atenção da imprensa local ao orientar que os pais, que pediam redução no preço durante as atividades à distância, para que desmatriculassem os filhos, como informou o jornal O Globo.